Por: Coluna Pelo Estado

Na manhã desta segunda-feira, 13, o Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) e a Polícia Civil iniciaram a segunda fase na operação Et Pater Filium, cumprindo dois mandados de prisão preventiva. Um dos detidos é o prefeito de Major Vieira e agora ex-presidente da Federação Catarinense de Municípios (FECAM), Orildo Severgnini (MDB). Após a prisão, Severgnini, que assumiu o comando da entidade em 4 junho – optou pela renúncia.

Além dos dois mandados de prisão preventiva, foram cumpridos 11 de busca e apreensão, expedidos pelo Tribunal de Justiça do Estado de Santa Catarina, em razão do foro por prerrogativa de função do principal investigado.

Segunda etapa da operação Et pater filium atingiu três cidades do Planalto Norte

As diligências foram realizadas em Major Vieira, Papanduva e Monte Castelo, na região do planalto norte catarinense. A segunda etapa da operação Et pater filium foi deflagrada apenas 12 dias depois da primeira, em 31 de julho. 

A operação investiga organização criminosa voltada para a prática de corrupção, fraude à licitação e lavagem de dinheiro, a maioria no ramo de construção civil.

A expressão em latim Et pater filium – O pai e filho – foi usada na operação, porque estão associados aos atos de corrupção duas duplas de pai e filho: empresários, de um lado, e funcionários públicos, de outro.