Por: Coluna Pelo Estado

A Defensoria Pública do Estado de Santa Catarina (DPE-SC) se colocou à disposição das mulheres agredidas por um policial com cassetete, na noite de segunda-feira, 3, em Lages. O órgão também emitiu uma nota de repúdio à agressão. No documento, a titular do Núcleo da DPE de Lages, Mariana Macêdo, lamentou o fato dias antes da celebração dos 14 anos da Lei Maria da Penha, marco da luta pelo fim da violência contra mulher no Brasil.

Na madrugada de segunda para terça-feira, cinco mulheres comemoravam, em casa, a defesa do Trabalho de Conclusão de Curso de uma delas. Incomodados pelo barulho, dois vizinhos, um policial militar fora de serviço,e sua companheira, entraram no apartamento para, depois, ameaçar e agredir as jovens.

“A violência contra mulheres partiu justamente, neste caso, de quem deveria zelar pela proteção e integridade das cidadãs”, lamentou a DPE.

Veja a nota na íntegra:

“A Defensoria Pública Do Estado De Santa Catarina (DPE-SC), por meio do Núcleo Regional de Lages, vem a público repudiar, veementemente, as agressões desferidas por um policial militar, de folga, a cinco estudantes que comemoravam a defesa do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) de uma delas, em Lages, na noite da última segunda-feira (3/8).

A instituição tomou conhecimento da ocorrência por meio de notícias amplamente divulgadas na imprensa e vai instaurar expediente nesta quarta-feira (5/8) para analisar as medidas cabíveis. A Defensoria Pública já se colocou à disposição das vítimas e tratará o episódio com a seriedade e atenção devidas.

Especialmente na semana em que se celebra os 14 anos da chamada Lei Maria da Penha, a DPE-SC lamenta profundamente que a violência contra mulheres parta justamente, neste caso, de quem deveria zelar pela proteção e integridade das cidadãs.”

Com informações da DPE-SC