Por: Coluna Pelo Estado

O governo de Carlos Moisés (PSL) teve mais uma baixa no secretariado. Jorge Eduardo Tasca, que também é alvo no mesmo pedido de impeachment que tramita na Alesc, pediu exoneração nesta segunda-feira (14). O secretário-adjunto de Administração, Luiz Antonio Dacol, assume o cargo. Tasca responde ao processo na Alesc juntamente com o governador Moisés e a vice-governadora, Daniela Reinehr (sem partido).

Em um vídeo gravado para a imprensa, Tasca diz que se afasta para se dedicar integralmente à defesa de Moisés e da vice no processo de impeachment. “Esse ato tem como objetivo afastar o meu nome desse injusto processo de impeachment a que eu fui submetido e a partir de agora me dedicar integralmente à defesa do governador Moisés e da vice-governadora Daniela.”.

Esta é a terceira baixa no governo em menos de uma semana e a sétima este ano. Na semana passada, os comandos do Iprev e da Defesa Civil também foram exonerados. O coronel João Batista Cordeiro Júnior entregou o cargo alegando motivos pessoais e vai ser sucedido por Aldo Baptista Neto, adjunto da Saúde. No Instituto de Previdência, Kliver Schimidt saiu para dar lugar ao economista Marcelo Panoso Mendonça.

As outras exonerações ocorreram após o escândalo dos 200 respiradores, que culminou nas exoneração de Helton de Souza Zeferino (Saúde), Douglas Borba (Casa Civil), Luiz Felipe Ferreira (Controlador-Geral) e Amandio Júnior (Casa Civil).

:. Relatório da Comissão Especial do impeachment está pronto e deve ser favorável ao afastamento de Carlos Moisés

:. Defesa de Carlos Moisés chama novo impeachment de projeto político-partidário

 

Fábio Bispo/Pelo Estado