Por: Andréa Leonora

Em sua primeira coletiva à imprensa, logo depois de ser declarado governador eleito, o Comandante Moisés (PSL) disse que a noite não era só festiva, mas que “remonta à responsabilidade que recai sobre nossos ombros” Agradeceu a todos os eleitores pelos mais de 2,6 milhões de votos e disse estar plenamente consciente da responsabilidade que assumirá a partir do dia 1º de janeiro de 2019. (Veja a entrevista no Facebook do SCPortais de Notícias aqui )

Moisés venceu o pleito com um total de 2.644.179 votos, ou 71,09% dos votos válidos, o maior volume de votos em um governador na história de Santa Catarina. Seu adversário, Gelson Merisio (PSD), perdeu votos em relação ao primeiro turno. Fez 1.075.242 (28,91%).

O futuro governador de Santa Catarina foi à sede do TRE-SC, em Florianópolis, e falou com repórteres em uma coletiva tumultuada. Agradeceu pelo trabalho realizado pelo TRE-SC, incluindo servidores e voluntários, enaltecendo o fato de que tudo transcorreu dentro da normalidade, em que pese algumas ocorrências. E, pondo fim às dúvidas levantadas por seu partido sobre a lisura do processo eleitoral baseado em urnas eletrônicas, declarou: “Reitero nossa confiança na Justiça Eleitoral de Santa Catarina e do Brasil. Nossa campanha foi realizada sem uso de fundo eleitoral. Foi uma campanha simples que trouxe ao cidadão a renovação da esperança na política”.

Foto: Murici Balbinot

Ao completar esse pensamento, Comandante Moisés afirmou que a ideia é fazer uma política diferente. “Daqui para frente vamos elaborar projetos de lei que alterem a estrutura do Estado para depois pensarmos nas pessoas. Temos um grupo de trabalho que fará de Santa Catarina um Estado mais ágil, mais competitivo, que olhe para as pessoas. Precisamos de um estado mais resiliente, de pessoas fortalecidas com a participação do Estado. A responsabilidade aumenta ainda mais quando sabemos que o nosso novo presidente da República é também do nosso partido, Jair Messias Bolsonaro.”

Para o governador eleito, o processo eleitoral ganha com esse novo momento político do país. “Saí do anonimato, alguém sem expressão estadual, contra muitas correntes, até mesmo as pesquisas eleitorais, que apontavam que não chegaríamos ao segundo turno. As eleições mudaram, o povo mudou, a forma de ver a política vai ter que mudar, assim como a forma de enxergar a máquina pública.”

Ele reiterou que suas prioridades serão manter o Estado enxuto, valorizando as pessoas por suas capacidades técnicas, num contraponto ao que chamou de “velha forma de fazer política”, caracterizada por acomodar pessoas.  “A recente democracia do Brasil cresce com a eleição de Jair Bolsonaro. Nossa democracia jovem está amadurecendo. Para nós não e uma festa, mas o aumento do nosso compromisso com os catarinenses e os brasileiros.”

Moisés saiu do TRE sem responder as perguntas dos repórteres e foi festejar a vitória com apoiadores.

Transição

Antes mesmo da confirmação da eleição da Comte. Moisés como o próximo governador do Estado, o atual governador, Eduardo Pinho Moreira (MDB), soltou um áudio em que comenta o resultado, que classificou como “histórico”. “Houve uma sinalização extremamente significativa e importante da população de Santa Catarina que, de forma estrondosa, deu uma vitória ao Comandante Moisés, dando um recado claro à classe política de que quer que mude aquilo que estava acontecendo em Santa Catarina e da mesma forma quanto ao presidente da República. Um recado a todos os políticos. Agora vem o momento da realidade, passado o período da eleição. É necessária uma análise criteriosa da situação do governo de Santa Catarina dentro de uma transição que eu farei com muita calma junto ao Comandante Moisés e, é claro, à equipe que ele indicar para receber informações do governo de Santa Catarina.”

Noutro trecho de sua fala, Moreira afirma que o momento é de reflexão, de análise e de estabelecer critérios em busca de informações. “O governo de Santa Catarina está à disposição. Já há um ambiente dentro do Centro Administrativo para o Comandante Moisés e sua equipe, para que possam encaminhar projetos, ações que, dentro do possível, eu já encaminharei ainda no ano de 2018 para que em 1º de janeiro já comece com uma formação mais parecida com aquilo que ele deseja.”

Com relação à eleição de presidente da República, Eduardo Moreira afirmou ter sido também uma sinalização firme no sentido da mudança na forma de fazer política e gestão pública. Para ele, tanto em nível nacional quanto estadual é necessário diminuir o tamanho do Estado, porque as receitas são insuficientes para cobrir todas as necessidades da população. “Será necessário redefinir rumos e é claro que para isso, tanto lá quanto aqui, terá que haver a participação dos poderes legislativos, Congresso Nacional e Assembleia Legislativa, para mudar leis. Não adianta mudar apenas o chefe do Executivo se nós não mudarmos a forma de agir dos parlamentares. É um novo momento e temos que manter a tranquilidade. Volto a falar: passou a eleição, não há varinha de condão. A realidade muda e vamos juntos ajudar o Comandante Moisés para que ele faça um grande governo para todos os catarinenses.”

Merisio comenta resultado (áudio)