Por: Coluna Pelo Estado

O Plenário da Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc) vota na tarde desta quinta-feira, 17, a abertura do processo de impeachment contra Carlos Moisés (PSL) e Daniela Reinehr (sem partido). A primeira votação foi para definir o afastamento da vice-governadora. Dos 40 deputados, 32 foram favoráveis ao prosseguimento do impeachment contra a governadora, sete foram contrários e o presidente da Alesc, Julio Garcia (PSD) se absteve da votação.

Foram contrários ao impeachment da vice, Coronel Mocellin (PSL), Marcius Machado (PL), Altair Silva (PP), José Milton Schaffer (PP), Vicente Caropreso (PSDB), Bruno Souza (Novo) e Paulinha (PDT). Líder do governo Moisés na Alesc, a deputada estadual Paulinha (PDT), considera o impeachment contra o governador descabido e estapafúrdio. Ela dialogou nos últimos dias com seus colegas parlamentares, mas disse que dificilmente o governo consegue escapar ao impeachment.

“Espero que nesses próximos dias, a gente possa unir o estado pelo interesse comum, que é preservar vidas, buscar recuperação econômica efetiva nesse pós-pandemia. É absolutamente descabido, estapafúrdio esse pedido de impeachment nesse momento. Daqui a pouco mais o resultado estará posto, mas é difícil o governo alcançar os 14 votos”, disse Paulinha.

Neste momento, os parlamentares se manifestaram em relação ao pedido de impeachment do governador Carlos Moisés. Em seguida, acontece a votação e, conforme a expectativa da líder do governo, Moisés dificilmente escapa a abertura do impeachment. O afastamento do governador e da vice depende, ainda, da aprovação do tribunal misto que será formado por cinco deputados e cinco desembargadores do Tribunal de Justiça de Santa Catarina.

Nícolas Horácio / Pelo Estado.