Pesquisa do HU-UFSC avalia resposta imune do organismo à covid-19
Estudo acompanha comportamento da doença em 200 pacientes para verificar quais são as reações ao longo do tempo


Por: Coluna Pelo Estado

Um grupo de pesquisadores e professores ligados ao Hospital Universitário Professor Polydoro Ernani de São Thiago (HU-UFSC/Ebserh), ao Departamento de Análises Clínicas do Centro de Ciências da Saúde (CCS) da UFSC e ao Hospital Nereu Ramos, está desenvolvendo uma pesquisa com cerca de 200 pacientes que tiveram a Covid-19 para verificar, entre outras coisas, por que o organismo das pessoas reage de forma diferente à doença, qual é o tempo em que é possível se considerar imunizado e como o organismo reage à infecção ao longo do tempo.

De acordo com a professora do Departamento de Análises Clínicas da UFSC, Maria Cláudia Santos da Silva, coordenadora do pesquisa, denominada “Resposta Imune dos Pacientes Infectados pelo Sars-CoV-2, um estudo de corte”, o objetivo é investigar o comportamento das células imunes, dos anticorpos e das proteínas inflamatórias no corpo das pessoas infectadas.

Segundo ela, embora a Covid-19 seja uma doença respiratória infecciosa altamente contagiosa, nem todas as pessoas desenvolvem o quadro grave e alguns estudos apontam que a transição de um estado assintomático ou de sintomas leves para este quadro grave possa estar ligada à resposta imune individual de cada pessoa. É este um dos pontos que a pesquisa pretende atingir. Outro ponto importante diz respeito à imunização. “Apesar dos anticorpos específicos para a SARS-Cov-2 serem detectados em parte dos doentes, até o momento não se tem certeza de sua capacidade de proteção imunológica futura”, afirmou.

É por estas questões, resumidamente, que é importante ter estudos que acompanhem os pacientes por um período. “Estes estudos, com certeza trarão à luz da ciência informações confiáveis e dados imprescindíveis para entendimento do desenvolvimento da Covid-19 e de seu agravamento”, explicou a professora coordenadora da pesquisa. O projeto é financiado pela empresa JBS Ltda.

A pesquisadora também explicou que o estudo poderá ajudar a direcionar, no futuro, as intervenções clínicas (os protocolos para tratamento dos doentes), além de identificar, de forma mais organizada e científica, as características da população brasileira diante da infecção, o que pode contribuir para o estabelecimento de políticas públicas de saúde relacionadas à Covid-19.

 

com informações HU/UFSC
Jonathas Guerra Maquinas