Por: Andréa Leonora

27/03/2019 – 17h30min

O presidente da Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado, o catarinense Dário Berger (MDB-SC), classificou como injustiça o fato de a Lei Rouanet ter beneficiado nos últimos anos especialmente os artistas já consagrados, em detrimento de novos talentos em diversas áreas.

A lei Rouanet repassa R$ 1,4 bilhão anualmente para produções culturais nacionais, que, de acordo com o senador, são centralizados em 80% no eixo Rio-São Paulo.

“Um poeta ou um professor que precisa de menos de R$5 mil para editar um livro, não consegue. Enquanto isso, o governo concede uma fortuna para artistas já reconhecidos. Precisamos estabelecer prioridades”, disse Berger.

Em resposta, o Ministro da Cidadania, Osmar Terra, garantiu que o governo Bolsonaro já estuda um novo modelo para democratizar a aplicação dos recursos.