Por: Coluna Pelo Estado

O governador Carlos Moisés (PSL) decretou, pela segunda vez em 2020, estado de calamidade pública em Santa Catarina. Em 17 de abril, o governador adotou a mesma medida em função do novo coronavírus, agora, a motivação é a passagem do ciclone bomba, que deixou nove mortos no estado, após atingir todas as regiões entre terça-feira e quarta-feira, 30 e 1º.

De acordo com o novo decreto estadual, ao menos 152 cidades registraram ocorrências por causa das rajadas de vento que ultrapassaram os 130 km/h. Além das mortes, duas pessoas seguem desaparecidas.

Entenda o novo decreto de calamidade pública em Santa Catarina

Na tarde de quinta-feira, 2, o governador Carlos Moisés e o chefe da Defesa Civil, João Batista Cordeiro Júnior, participaram de uma videoconferência com diversas entidades. Na conversa, estavam representantes do Fórum Parlamentar Catarinense, Fecam e Alesc. 

Moisés aproveitou a ocasião para agradecer à Alesc, que repassou R$ 30 milhões para ajudar na reconstrução. O governador também salientou que o decreto vem para agilizar a busca de recursos junto ao Governo Federal. No próximo sábado, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) cumprirá agenda em Florianópolis. Em seguida, deve sobrevoar as regiões atingidas.

Além dos senadores de Santa Catarina, Dário Berger (MDB), Esperidião Amin (PP) e Jorginho Mello (PL), participaram da reunião deputados federais e prefeitos. 

O chefe da Defesa Civil disse que os prefeitos estão fazendo contato para relatar os estragos. Segundo ele, neste primeiro momento, o governo está priorizando a assistência humanitária, como a distribuição de lonas, telhas e cestas básicas.

A Defesa Civil ficou responsável por elaborar o plano de trabalho solicitado pela Alesc para aplicação do repasse de R$ 30 milhões. A meta é deixar o material pronto ainda nesta semana. Em relação ao decreto de calamidade, Batista disse que a ação foi necessária por conta da severidade do evento climático, que atingiu todas as regiões catarinenses.

“A partir dessas informações, o Estado avaliou que era necessário decretar a calamidade pública. Isso vai gerar facilidades no recebimento de recursos da União, tanto para assistência humanitária quanto para reconstrução. Alguns municípios já decretaram situação de emergência [Governador Celso Ramos, por exemplo] e agora o Governo decreta a calamidade pública em todo o estado. Vamos pedir que as prefeituras continuem mandando os relatórios de danos para que consolidemos todas essas informações”, disse João Batista.

Ajuda nacional

O governo do estado recebeu, nesta sexta-feira, 2, a visita do secretário nacional de Proteção e Defesa Civil, Alexandre Lucas Alves. À tarde, ele vai sobrevoar áreas afetadas pelo ciclone ao lado do chefe da Defesa Civil. Uma equipe da Defesa Civil nacional acompanhará o secretário em sua agenda no estado.

Como receber alertas da Defesa Civil

Os alertas da Defesa Civil são importantes para que os catarinenses recebam, com antecedência, informações e orientações a população para cada tipo de desastre. Todas as pessoas podem realizar o cadastro para receber os avisos. Para isso, basta mandar uma mensagem para o número 40199 contendo apenas o código de endereçamento postal (CEP) do local que deseja ser monitorado.