Por: Andréa Leonora

Os catarinenses já se acostumaram a esperar por uma das mais importantes ações de eficiência energética da Celesc, o Bônus Eficiente Eletrodomésticos, que acontece desde 2013. Pois a quinta edição do programa vai começar na próxima segunda-feira (28), com estimativa de beneficiar mais de 10.450 unidades consumidoras (residenciais) em todas as regiões de Santa Catarina. O anúncio foi feito nesta sexta-feira (25), em coletiva de imprensa na sede da estatal.

Na edição 2019, estarão disponíveis para troca por eletrodomésticos antigos e pouco eficientes 1.850 aparelhos de ar-condicionado (Split 9.000 BTUs, quente e frio), 3.500 refrigeradores de uma e duas portas (respectivamente de 300 e 405 litros), 1.500 freezers verticais de 142 litros e 52,2 mil lâmpadas LED. Todos os equipamentos são da marca Consul e as vendas serão feitas pela loja Colombo, ambas vencedoras da licitação para execução do programa.

O desconto de 50% é concedido na hora da compra e o valor restante ainda pode ser parcelado. Os demais 50% do custo de cada equipamento serão subsidiados pela Celesc, que vai investir pouco mais de R$ 10 milhões para garantir o projeto.

 

Como funciona

A troca pode ser tratada diretamente em uma das 43 unidades da Colombo no estado ou pelo 0800-642-4242.

  • Mas lembre-se: somente a partir de segunda-feira (28) e somente para clientes residenciais da Celesc.

É necessário apresentar os documentos pessoais do titular da conta e a fatura que comprove a residência. Se a operação for feita pelo 0800, os documentos deverão ser apresentados no momento da entrega do novo aparelho e recolhimento do antigo.

É importante levar informações sobre o eletrodoméstico que será descartado, que deve ser similar ao desejado, em funcionamento, com mais de cinco anos de uso e sem o Selo Procel de Eficiência Energética.

No ato da operação é feita uma doação dos R$ 50,00 (leia Ação Social abaixo) e assinado o termo de adesão ao projeto.

É exigência do Bônus Eficiente Eletrodomésticos que o cliente esteja em dia (adimplente) com a Celesc, sem dívidas ou pendências. Se houver qualquer entrave financeiro, o vendedor informará e o cliente terá tempo de resolver a situação em uma agência de atendimento ou pelos serviços no site da Celesc.

A Consul garante o estoque, mas a Celesc e a Colombo não têm como garantir a duração desse estoque para qualquer uma das linhas oferecidas.

No momento da troca do equipamento antigo pelo novo, na residência do consumidor, o cliente tem direito de trocar também até cinco lâmpadas incandescentes ou fluorescentes por lâmpadas LED, mais econômicas.

 

Pegada ambiental

Foto: EBC

O Bônus Eficiente Eletrodomésticos é parte do Programa de Eficiência Energética (PEE) da Celesc, que inclui também ações voltadas à indústria, a famílias de baixa renda, hospitais, entre outros, e ainda de incentivo à produção de energia solar. Atualmente, segundo o coordenador do projeto, Mário Cesar Machado Junior, sozinho o Bônus Eficiente Eletrodomésticos responde por 25% do conjunto de ações do PEE.

Considerado o mais popular projeto de eficiência energética da Celesc, já subsidiou, somente nas quatro primeiras edições, 87.098 eletrodomésticos e 516.605 lâmpadas, beneficiando 117.604 unidades – aproximadamente 450 mil pessoas. Para isso, a companhia investiu R$ 76,5 milhões.

Como resultado, deixaram de ser consumidos 63.667,86 megawatts por hora (MWh). É energia suficiente para manter, durante um ano, uma cidade de 265 mil habitantes, população superior à do município de São José, na região da Grande Florianópolis, a quarta maior cidade de Santa Catarina.

As vantagens são muitas. Os números da quinta edição indicam que cada unidade residencial beneficiada economizará, em média, R$ 210,17 por ano, totalizando 3.079,99 MW/ano. De acordo com métricas do Ministério de Ciência e Tecnologia e do Instituto Brasileiro de Florestas, essa economia de energia equivale a 285,52 toneladas de dióxido de carbono (tCO2), 1.714 árvores ou a emissão de gases por 237 carros.

Não é só aí que se concentra a tal pegada ambiental do projeto Bônus Eficiente Eletrodomésticos. Todos os equipamentos e lâmpadas recolhidos nas trocas são descartados. Sob a responsabilidade da Colombo, eles são encaminhados para uma empresa especializada no desmonte e separação dos elementos (plástico, borracha, ferro, alumínio, cobre), posteriormente destinados a indústrias para reciclagem.

Além disso, a eficiência da troca, ou seja, a verificação da economia gerada, é feita por amostragem (100 unidades serão sorteadas no momento da compra). Essa etapa é de responsabilidade da Esco, empresa igualmente contratada pela Colombo e que segue normas técnicas específicas. Só depois de vencidas e comprovadas essas duas etapas é que a Celesc repassará o valor subsidiado para a rede de varejo.

 

Ação social

     

Um dos grandes efeitos dessa iniciativa da Celesc é social. Isso porque cada troca só pode ser feita depois da doação de R$ 50,00 por parte do cliente. Assim, desde 2013 já foram arrecadados e distribuídos R$ 4,1 milhões a 30 diferentes organizações.

Este ano, com estimativa de arrecadação de R$ 342,5 mil, três entidades receberão as doações: Associação Catarinense de Autismo, de Balneário Camboriú, o Asilo São Vicente de Paulo, de Criciúma, e a Associação Universo Down, de Joinville, cabendo a cada uma a terça arte do total arrecadado.

Por conta dos resultados ambientais e sociais, já desde a primeira edição o Bônus Eficiente Eletrodomésticos vem sendo copiado por outras distribuidoras de energia do país. Mais que isso, o projeto obteve o reconhecimento do mercado também por meio de prêmios.

 

Algumas simulações

Tenho um refrigerador e um aparelho de ar-condicionado antigos, sem selo Procel de eficiência e com mais de cinco anos de uso. Posso trocar os dois?

  • Não. A menos que estejam em unidades consumidoras diferentes, mesmo que o titular seja o mesmo. O limite de troca é de um eletrodoméstico por unidade consumidora.

 

Sou a titular da unidade e quero aproveitar a oportunidade para substituir meu freezer, mas estou em viagem. Meu filho pode fazer a troca por mim?

  • Não. São exigidos os documentos pessoais do titular da conta, conforme está na fatura de energia. Portanto, só o titular pode efetivar a troca.

 

Fui um dos primeiros a comprar um ar-condicionado Split. Posso trocar por um do bônus?

  • Não. No caso do ar-condicionado, só serão aceitos os modelos de parede/janela na troca por um mais moderno, Split.
  • Com um detalhe: tapar o buraco deixado pelo aparelho anterior é responsabilidade do cliente.

 

Tenho uma geladeira de duas portas com selo Procel. Está com seis anos de uso. Posso trocar pela que está sendo oferecida agora?

  • Não. Os equipamentos com selo Procel já são energeticamente eficientes e por isso não se enquadram na iniciativa.

 

Minha geladeira não é da marca Consul. Posso trocar?

  • Sim. O eletrodoméstico que será descartado pode ser de qualquer marca. Mas todos os novos são da marca Consul.

 

Não tem loja da Colombo na minha cidade. O que eu faço?

  • Vá à cidade mais próxima que tenha uma unidade Colombo ou ligue no 0800-642-4242.

 

Eu não tenho mais a nota fiscal do freezer que pretendo trocar. Tem problema?

  • Problema algum. Só serão exigidos os documentos pessoais do titular da unidade consumidora e a fatura.

 

Posso reservar um eletrodoméstico novo?

  • Não. No momento em que assinar o termo de adesão e fizer a doação, seu equipamento estará garantido. A Consul garante o estoque, mas a Celesc e a Colombo não têm como garantir o tempo de duração desse estoque. Vai depender da demanda.

 

Tenho uma geladeira velha e uma nova em uso. Quero trocar a antiga por um aparelho de ar-condicionado. Posso?

  • Não. A troca só pode ser feita entre aparelhos com a mesma função. Geladeira por geladeira, freezer por freezer, aparelho de ar-condicionado por aparelho de ar-condicionado.
  • Porém, será aceito se você desejar trocar um refrigerador antigo de uma porta por um novo de duas portas.

 

Tenho um aparelho de ar-condicionado que não está sendo usado, largado lá na garagem. Posso trocar por um novo com o bônus?

  • Não. Só serão aceitos eletrodomésticos que estejam em uso, justamente para que seja possível impactar na redução de consumo de energia.