Por: Coluna Pelo Estado

Balneário Camboriú, em Santa Catarina, vai entrar para uma rota do turismo mundial, que inclui cidades como Los Angeles, Chicago, Montreal e Londres. Previsto para dezembro, o lançamento da FG Big Wheel, uma roda gigante com 65 metros de altura, que ficará 82 metros acima do nível do mar, era um sonho antigo dos empresários Cícero Fiedler, Ricardo Fiedler e Erondi Roveda.

“É uma ideia de 2012. É um quebra-cabeça e estamos começando a encaixar as peças. A beleza cênica do local, a vitalidade, isso tudo Balneário Camboriú tem muito presente. As pessoas desfrutam da praia de uma forma muito orgânica, ou seja, não precisa fazer esforço para que vejam a roda, pelo contrário, a roda será um elemento para desfrutar do local. Ali foi o local perfeito”, explica Cícero Fiedler, um dos idealizadores sobre a escolha do local para instalação da roda gigante.

A FG BIG Wheel é um investimento de R$ 40 milhões, bancado totalmente pela iniciativa privada. Em contrato assinado em 10 de agosto, a FG, empresa de Balneário Camboriú, se tornou parceira daquela que será a maior roda gigante estaiada da América Latina. Com operação diurna e noturna, a estimativa do diretor de mercado e de marketing da FG Empreendimentos, Altevir Baron, é que 700 mil pessoas passem pelo ponto turístico.

“O cartão postal será aberto ao público. A tarifa será para o passeio e terá um valor médio de R$ 30. Neste ano, em função da pandemia, a gente acredita que o turismo nacional no final do ano esteja muito forte e Balneário Camboriú está na rota do turismo nacional como um dos destinos mais desejados” destaca Baron.

Geração de empregos

Direta e indiretamente 600 pessoas estão envolvidas no trabalho de construção da FG Big Wheel. São engenheiros, arquitetos, paisagistas, engenheiros hidráulicos, de segurança. Atualmente, uma equipe de aproximadamente 60 pessoas está trabalhando no local.

“Tivemos um cuidado grande com o design da roda. Não é simplesmente uma roda gigante comum. Ela tem um design especial. Balneário Camboriú requer algo diferenciado, um equipamento estaiado, com impacto visual bonito, leve, sutil, elegante. Em função do local, a gente trouxe um equipamento de ponta”, destaca Findler.

As etapas da construção

A construção da FG Big Wheel se divide em quatro etapas. A primeira fase foi o início da fundação. A segunda fase é a colocação do aro, que está em andamento neste momento e deve ser concluída até 10 de setembro. A terceira etapa é a montagem das cabines.

“A FG tem mais de 50 prédios entregues na cidade e vem crescendo junto com Balneário. Levar o nome da roda gigante foi uma honra. Esse é nosso escopo: contribuir para o progresso da cidade. A FG Big Wheel terá luzes à noite, show de cores, mensagens de otimismo”, antecipa o diretor da FG, Altevir Baron.

A última etapa é a de testes. O equipamento vai funcionar durante 20 dias, mas sem pessoas dentro. Serão colocados pesos na cabine e a estrutura será submetida a situações de estresse. Se tudo estiver funcionamento corretamente, a FG Big Wheel receberá a certificação para funcionar normalmente.

A pandemia

Os empresários garantem que o lançamento da FG Big Wheel será mantido, independentemente da gravidade da pandemia. Para tanto, serão adotados cuidados.

“A gente mantém o lançamento mesmo com a pandemia. Para isso, a gente se adaptaria ao novo normal, ou seja, medidas de sanitização, restrição de acúmulo. Inclusive temos um software de controle de inteligência, que faz uma distribuição de acordo com horário. Tivemos esse cuidado e tenho certeza que estaremos aptos”, garante Findler.

A estrutura

A FG Big Wheel terá 36 cabines climatizadas, podendo abrigar oito pessoas por cabine, que terão uma vista panorâmica da cidade e da orla. A atração será em uma área privada de 37,5 m², no costão da Barra Norte de frente para orla de Balneário Camboriú, com estrutura de lazer e entretenimento para os visitantes.

Funcionará nos três turnos do dia, com estimativa de receber até 8 mil pessoas por dia. O passeio deve custar R$ 30 e consiste em uma volta completa de 20 minutos. O complexo terá, ainda, praça de alimentação, WI-FI, serviços, comércio e quiosques.

Autorização e arrecadação

Assim como o investimento, a arrecadação também será dos empresários, ficando o município com os ganhos da geração de impostos. O processo de liberação foi iniciado em 2016 e é permanente.

“Tivemos um cuidado ambiental muito forte. Todas as compensações requisitadas foram feitas mais que em dobro. Quando estourou a pandemia, em março, as iniciativas de investimento recuaram. Todo mundo botou o pé no freio. A gente acha que para a própria cidade, ter uma novidade, é um motor para acelerar a retomada do turismo”, avalia Findler.

A pouco mais de quatro meses do prometido lançamento, Balneário Camboriú vive a expectativa dos primeiros dias com a roda gigante. O trade turístico e a rede hoteleira estão ansiosos pela novidade que pode impulsionar a retomada econômica durante e depois da pandemia.