Por: Coluna Pelo Estado

Pessoas acima de 65 anos são o grupo etário que percebe como menores os riscos da pandemia de covid-19 e também apresentam menor comprometimento com as políticas de isolamento social em Santa Catarina. A conclusão é da pesquisa Covid-19 em Santa Catarina: Estudo sobre níveis de conhecimento, padrões de comportamento social e impactos na vida social e econômica, desenvolvida por professores dos departamentos de Sociologia e Ciência Política e de Saúde Pública da UFSC.

O estudo mapeou atitudes e comportamentos da população catarinense em relação à pandemia, identificando alguns dos principais efeitos sociais e econômicos das medidas de restrição à circulação e os padrões de acesso à informação sobre a doença.

A primeira etapa da pesquisa, realizada em junho, via internet e por aplicativos de redes sociais, colheu respostas de 2.636 pessoas de 129 municípios catarinenses, a maioria na Grande Florianópolis.

Percepções sobre a pandemia

O nível de informação entre os entrevistados é alto, com razoável acerto de informações. Aqueles que adquirem informações por meio de mídias sociais, ou parentes e amigos, mostraram nível menor de conhecimento comparados com quem utiliza sites oficiais de governo, TV e rádio.

Faixa etária

No geral, as pessoas subestimaram a ocorrência de casos em crianças, adolescentes e adultos jovens até 29 anos, mas superestimaram a ocorrência em idosos. Quanto aos fatores de risco, as doenças respiratórias foram superestimadas, e ser hipertenso, obeso, ou ter problemas cardíacos ficaram sub-avaliados.

Máscaras

O uso de máscara foi entendido como um fator importante de proteção por 88% dos entrevistados, embora apenas 2 em cada 3 tenham identificado corretamente a melhor forma de proteção.

Sintomas

Aproximadamente 85% dos entrevistados não tiveram qualquer sintoma; apenas 4,2% haviam sido testados e, destes, só 0,6% foram positivos. No entanto, 38% conheciam pessoalmente alguém que havia adquirido a doença.

Impactos socioeconômicos

Quase a metade dos entrevistados (48,8%) teve sua renda afetada, praticamente todos com diminuição de renda. A maior parte desta perda estava associada às atividades informais ou prestação de serviços, com a demissão atingindo 5,5% do total, e as reduções de salário ou suspensão de contratos atingindo praticamente 1 em cada 4 afetados pela perda de renda.

Entre outros problemas enfrentados na pandemia, destacam-se a dificuldade de preservação da saúde mental (36,3%) e a sensação de isolamento (37%).

Isolamento social

Quanto às atitudes em relação à pandemia e às políticas de isolamento social, o uso obrigatório de máscaras foi amplamente favorável, com 95% de respostas. Idosos, pessoas de menor escolaridade e autodeclarados de direita foram os grupos de menor aderência a esta posição.

Perguntados se o isolamento social deveria ser adotado para toda a população, cerca de 2/3 responderam positivamente. Aqueles que tiveram sua renda afetada são mais propensos a romper o isolamento social, enquanto os que têm preocupação em preservar sua saúde mental e sofrem mais com a sensação de isolamento, não.

Papel do Estado

Houve forte aderência ao aumento de gasto público durante a pandemia e à ajuda às pessoas mais vulneráveis por meio de auxílio emergencial. Houve baixa aderência à ajuda do governo a empresas privadas e ao direito de sair de casa quando quiserem, mesmo com medidas de isolamento social em vigor.

Quanto à possibilidade de o auxílio emergencial ser permanente para as pessoas de baixa renda, após o fim da pandemia, as respostas mostraram uma divisão: pessoas de baixa escolaridade e os declarados de direita e de centro mostraram maior resistência à adoção dessa medida.

Você pode acessar o relatório completo no site da UFSC ou clicando no link.