Por: Coluna Pelo Estado

O Imperial Hospital de Caridade, o mais antigo de Santa Catarina, com 238 anos, está acumulando dívidas e com risco de fechar as portas. O hospital fechou 2019 no vermelho, com déficit de R$ 14 milhões e tem uma dívida total de R$ 119,8 milhões. No início desta semana, o provedor do Hospital, Eduardo Dutra da Silva, informou que uma ala do hospital foi fechada. Ainda segundo Dutra da Silva, o ganho mensal do Caridade caiu para R$ 5 milhões e os gastos ultrapassam R$ 12 milhões.

Em vídeo institucional onde homenageia os profissionais da saúde, a Engie abriu canal de doações para ajudar o Hospital de Caridade. O apoio pode ser feito através de um QR Code que aparece na campanha.

A receita para contornar a questão, na visão do provedor, seria o arrendamento do Hospital. Ou seja, um contrato de cessão, onde o proprietário – neste caso a Irmandade do Senhor Jesus Passos – repassa seu bem para outra empresa utilizar, mediante remuneração. Três empresas demonstraram interesse no arrendamento do Caridade e uma delas chegou a ser selecionada, no entanto, a questão foi parar na Justiça.

As negociações para o arrendamento do Caridade por uma instituição nacional foram barradas por uma liminar interposta pelo tesoureiro da gestão passada do hospital. Segundo o tesoureiro, o pleno da mesa diretora que comanda a instituição não teria capacidade para deliberar pelo arrendamento. No 1º grau, o pedido foi negado, mas o tesoureiro recorreu com um agravo de instrumento e negociação travou.