Por: Coluna Pelo Estado

O 1º semestre de aulas da UFSC, no formato online, começou com um imprevisto. Desde o domingo, 30, os servidores da área de tecnologia da informação da universidade trabalharam para manter o Moodle, sistema de ensino virtual da UFSC, funcionando corretamente. Isso porque, ainda no final de semana, um ataque hacker desestabilizou o programa e atrapalhou o acesso dos alunos na retomada das aulas, nesta segunda-feira, 31.

O ataque criminoso foi contido nas primeiras horas do dia. A universidade registrou Boletim de Ocorrência e notificou a Polícia Federal para que apure o caso. Por volta das 9h, o sistema voltou a funcionar normalmente e as aulas realizadas. Os calouros do curso de Jornalismo, por exemplo, reencontraram a professora Valentina da Silva Nunes, depois de cinco meses, mas pela tela do computador. A turma teve uma semana de aula, em março.

“Foi melhor do que eu esperava. Por questões técnicas mesmo, eu achava que poderíamos ter mais intercorrências, cair internet, ficar lento, mas tudo fluiu bem. Estavam todos os 15 alunos da disciplina. Senti que eles estavam interessados, fizeram perguntas”, relatou a professora, que é autora do livro 365 dias que mudaram o Brasil, editora Planeta.

Assim como a maioria dos docentes, hoje, Valentina apresentou o plano de ensino remoto emergencial, os critérios de presença, de avaliação e o que vai mudar em relação ao presencial. Mas hoje também teve mão na massa. Os alunos conheceram os conceitos de notícia e receberam dever de casa. Professora de redação, Valentina usou texto e criatividade para pedir silêncio a vizinhança, no Sul da Ilha, enquanto ministrava sua aula. Ela disse que ficou animada e, conversando com os colegas, captou o mesmo sentimento.

“Claro que no começo é estranho, diferente. Pedi para todos ligarem as câmeras, pra gente se ver pelo menos no início. Depois alguns desligaram porque consome muitos dados, pode cair. Para o professor é complicado quando ele não vê com quem está falando. Por isso a gente solicita pelo menos esse alô inicial. Havia alunos que estavam fora de Floripa. Muitos voltaram pra casa dos pais”, disse Valentina.

Demanda por computadores e auxílio financeiro

A semana na UFSC será de adequações. Além do ataque hacker, a adaptação para atender a demanda online dos alunos também marcou a retomada das aulas. Aproximadamente 1200 alunos solicitaram empréstimo de computadores ou notebooks da universidade para conseguir acompanhar as aulas do semestre, à distância, em meio à pandemia. Eles assinaram um termo de compromisso e serão responsáveis pela preservação dos equipamentos no período de uso.

“No ato da entrega, o aluno assina um termo de responsabilidade, onde constam as condições em que retirou o equipamento e o aluno é responsável por qualquer problema. Se houver furto, por exemplo, tem que registrar BO. Tudo isso foi pensado para garantir o acesso, mas um acesso responsável”, enfatizou o chefe de Gabinete da Reitoria, Aureo Moraes.

Segundo Aureo, em torno de 1200 alunos solicitaram equipamentos emprestados e novos pedidos podem ser feitos. No último levantamento, na sexta-feira passada, 28, ao menos seis, dos 15 centros de ensino da UFSC, teriam condições de atender todas as demandas com equipamentos próprios. 

Trata-se dos centros da UFSC em Blumenau, Araranguá, Joinville, Curitibanos e dos Centros de Ciências Jurídicas e o Centro Tecnológico, das engenharias, em Florianópolis. A demanda dos demais centros será sanada com a compra e aluguel de equipamentos que a universidade está encaminhando.

“Imaginamos que essa semana seja de transição. E saberemos, na quarta, ou na quinta, quantos alunos pegaram, quantos desistiram. O modelo que a universidade aprovou, também flexibilizou um conjunto de circunstâncias. Quem estava matriculado em cinco disciplinas, pode reduzir para duas, ou três e deixar o semestre mais cômodo”, disse Aureo.

Além dos equipamentos, milhares de alunos também solicitam auxílio para contratar um plano de celular e garantir os estudos de forma online. Eles receberam o primeiro depósito de R$ 100,00 em agosto e o benefício será estendido até dezembro.

A universidade também deve iniciar, em breve, uma série de testagens no campus. Hoje, qualquer pessoa que entra na UFSC precisa ser autorizado pela segurança do campus. A expectativa, com a retomadas das aulas, mesmo online, é que a circulação na universidade aumente nos próximos dias.

“Foi um primeiro dia de experiência. A UFSC se preparou, capacitamos mais de 1200 professores e técnicos. Eu, por exemplo, 27 anos de universidade e raras vezes utilizei ferramenta para atendimento remoto. Houve crítica e questionamento do porque a UFSC estava demorando. A resposta é que a gente precisava se preparar”, disse Aureo.

Em função da pandemia do novo coronavírus, o calendário do primeiro semestre será apertado: 16 semanas corridas, a partir de hoje, até 16 de dezembro. O 2º semestre de 2020, de acordo com a estratégia da universidade, deve ser realizado de forma bastante semelhante.

Depois do Natal e Ano Novo, a previsão de retorno é janeiro de 2021, com aulas até abril. Não está definido, ainda, se o 2º semestre terá atividades presenciais, o que vai depender da leitura dos epidemiologistas e do grau da pandemia no momento.

Nícolas Horácio/Pelo Estado.