Câmara de Vereadores rejeita pedidos de impeachment contra prefeito Gean Loureiro (DEM) por quebra de decoro
Pedidos tinham por objetivo abrir investigação para apurar denúncia de quebra de decoro em caso em que Gean Loureiro (DEM) é acusado de ter estuprado ex-servidora comissionada dentro da prefeitura


Por: Coluna Pelo Estado

Ambos os pedidos foram direcionados para investigar se houve quebra de decoro pelo suspeita do prefeito Gean Loureiro cometer ato libidinoso na sala de reuniões da Secretaria de Turismo da Prefeitura de Florianópolis, sem entrar no mérito se o ato foi ou não um crime sexual.

Entre os vereadores que se manifestaram contrários aos pedidos, a maior parte das justificativa foi que o fato seria “armação eleitoral”. Já entre os votos favoráveis, os parlamentares disseram que “a Câmara não pode se omitir em investigar se houve quebra de decoro quando o Ministério Público está investigando esse mesmo crime”.

Entenda o caso

Uma ex-servidora pública comissionada da prefeitura de Florianópolis, Rosana Ferrari, acusa o prefeito Gean Loureiro de estupro em denúncia registrada em boletim de ocorrência no dia 9 de outubro de 2020. O caso foi divulgado na imprensa na semana passada, enquanto fotos e documentos circularam nas redes sociais.

Conforme o relato da denúncia, Loureiro teria cometido crimes sexuais na sala da Secretaria de Turismo, local de trabalho de Rosana, em 2017, 2018 e 2019.

No dia seguinte à divulgação do caso, na semana passada, o prefeito Gean Loureiro divulgou um vídeo admitindo a legitimidade das imagens, mas negando que tenha cometido crimes sexuais e afirmando que a relação foi consensual e que a denúncia faz parte de uma “armação eleitoral”.

Nesta semana, Rosana Ferrari se manifestou publicamente pela primeira vez após a repercussão do caso, em vídeo publicado em suas redes sociais.  “Mais do que inventar um conto de fadas e dizer que o absurdo ocorrido deveria ficar entre quatro paredes, me manifesto com sentimento de repúdio. Pois minha honra e dignidade foram expostas. Primeiro pelo assédio, depois pela exposição. E por fim, por uma mídia que já me condenou antes mesmo do devido processo legal”, afirmou Rosana.

O caso foi registrado pela Polícia Civil e enviado ao Tribunal de Justiça, por conta do foro privilegiado do prefeito. E também encaminhado à procuradoria-geral do Ministério Público, responsável por acompanhar casos que envolvem prefeitos. A investigação corre em sigilo.

Rosana Ferrari está concorrendo nesta eleição como candidata à vereadora pelo DEM em Florianópolis, mesmo partido do prefeito. Em pesquisa divulgada nesta semana, logo após a denúncia, Gean Loureiro (DEM) segue como candidato favorito à reeleição.

MP abre procedimento para investigar crime de improbidade

As fotos divulgadas em redes sociais e anexadas ao boletim de ocorrência mostram que o ato apontado como estupro teria ocorrido dentro da sala de reuniões da Secretaria de Turismo da prefeitura de Florianópolis. Na última sexta-feira, 30, o MPSC abriu notícia de fato para apurar se o fato ocorreu mesmo dentro da prefeitura para, se confirmado, abrir processo de investigação por improbidade administrativa contra o prefeito Gean Loureiro.

Jonathas Guerra Maquinas