Por: SC Portais

Imagem enviada pela Assessoria de Imprensa do candidato

Comte. Moisés: “Estado gasta muito e faz pouco”

“Santa Catarina conta com uma dívida que chega a 13 bilhões de reais. Mesmo assim, o desperdício de dinheiro público pode ser visto com frequência, pelo abandono das obras, falta de continuidade das ações, falta de transparência, e algo que me chama atenção: a isenção fiscal sem justificativa, que somente no ano passado chegou a 5.9 bilhões, ou seja, quase 50% da dívida catarinense.

A realidade é um Estado que gasta muito e faz pouco e, para revertermos isso, temos uma proposta de um governo suprapartidário, com gestão programática, a fim de atender a todos os anseios da sociedade, dando continuidade aos projetos que são bons para os catarinenses. Para tal, será necessário adotar a extinção de todas as agências de desenvolvimento regional (ADRs), diminuir o número de secretarias de Estado, dispensar os cargos comissionados, em grande parte, para sobrar dinheiro para saúde, segurança, educação e infraestrutura.

Nosso governo será responsável por desenvolver economicamente e socialmente Santa Catarina, facilitando a vida dos empreendedores e de quem quer produzir, para que nossa economia se dinamize e fortaleça, para o benefício de todos.

E é pensando nisso, que não iremos aumentar os impostos nos próximos quatro anos, pois acreditamos que o equilíbrio nos levará ao saneamento do Estado e ao atingimento de seus fins, elevando assim, os investimentos para as cidades.”

Foto: Luis Debiasi

 

Gelson Merisio: “Equilíbrio entre todas as regiões”

 

“Santa Catarina enfrentou uma das piores crises da história do Brasil sem aumentar impostos nem atrasar salários porque é um Estado diferenciado. Falar em queda de arrecadação atualmente para justificar, por exemplo, a não antecipação de 50% do 13º salário para o funcionalismo público é uma grande falácia. Nós tivemos em 2017 uma receita que cresceu 6% em relação ao ano anterior e teremos em 2018 uma receita que vai crescer em torno de 8%.

A economia catarinense vem respondendo aos estímulos concedidos pelo Governo do Estado. Agora o caminho é aliar estes resultados a uma boa gestão, a um enxugamento profundo da máquina pública e construir um Estado enxuto. Isso passa pela extinção de todas as antigas regionais, pelo corte de 1.200 dos atuais 1.400 cargos comissionados e pela redução do número de secretarias centrais de 18 para apenas 10. Defendo também que as regiões mais deprimidas economicamente tenham tratamento tributário diferenciado.

É o que tem de ser feito para redistribuir o crescimento econômico e manter um dos maiores patrimônios do nosso Estado, que é o equilíbrio entre todas as nossas regiões. Reduzir as desonerações é, sim, aumentar impostos. E não concordo de forma alguma com isso. Pelo contrário, eu acredito que precisamos reduzir cada vez mais a nossa carga tributária, incentivando novos negócios, gerando emprego e renda.”

 

Como parte do projeto Cobertura Eleições SC 2018 – Jornais Impressos e Digitais, a Coluna Pelo Estado está trazendo pequenos artigos dos candidatos que disputam o segundo turno ao governo do Estado – Comandante Moisés (PSL) e Gelson Merisio (PSD). Já foram tratados os temas Diferenças Regionais, Segurança Pública, Educação, Infraestrutura, Tecnologia e Inovação, Proteção à Mulher e Saúde. O projeto especial de cobertura das eleições é uma iniciativa da Associação de Diários do Interior (ADI-SC) e da Associação dos Jornais do Interior (Adjori-SC), além de veículos independentes, somando quase um centena de jornais impressos e digitais. Os conteúdos anteriores estão em scportais.com.br e em adisc.com.br