Por: SC Portais

As startups catarinenses estão de olho no potencial do agronegócio e muitas já migram para o meio rural. Buscam soluções tecnológicas para aumentar a competitividade da agricultura familiar. A aproximação dos dois setores tão diferentes é missão do Núcleo de Inovação Tecnológica para Agricultura Familiar (NITA), que realiza encontro entre empresas de tecnologia e representantes das cadeias produtivas nesta quinta-feira (23), em Florianópolis. A reunião contará com a presença do coordenador setorial para Desenvolvimento Sustentável do Banco Mundial, Paul Procee.
O objetivo do encontro é apresentar os resultados obtidos no primeiro ano de funcionamento do NITA, ouvir as demandas do agronegócio e mostrar as tecnologias já existentes no mercado voltadas para o setor. Atualmente, o NITA tem 34 empresas cadastradas, que já fazem negócios com agricultores e empresas catarinenses, além de algumas parcerias internacionais. Nesse primeiro momento, apenas empresas catarinenses podem se cadastrar no site, mas as soluções estão disponíveis para todo país.
O Banco Mundial é o grande apoiador do Núcleo e Santa Catarina representa a América Latina numa lista de oito iniciativas como esta ao redor do mundo. O NITA é coordenado pela Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca, com apoio da Secretaria do Desenvolvimento Econômico Sustentável, da Epagri, da Fapesc, do Sebrae-SC, da Acate, da Acafe, da Certi e da Associação Polo Tecnológico do Oeste Catarinense (Deatec), além da Universidade Católica de Santa Catarina.
Recados
O senador Dário Berger (MDB) está empenhado em eleger Jorginho Mello (PR) e Paulo Bauer (PSDB) ao Senado Federal. Dário apresentou Jorginho a todos os militantes do partido, cobrando para que a base apoie os dois não emedebistas da chapa. Dário fez uma forte declaração de que não gostaria de sentar ao lado de seu maior adversário político, referindo-se a Esperidião Amin (PP), e a quem foi ingrato com o MDB, Raimundo Colombo, mesmo sem citar o nome. A manifestação de Berger e a foto foram feitas durante o lançamento da campanha de Mauro Mariani ao governo do Estado. Poucas horas depois, o clima de festa que motivou mais de 10 mil pessoas desapareceu com a notícia do falecimento de Aldo Schneider.| Foto: Rafael Wiethorn
Luto
A despedida do deputado Aldo Schneider, presidente da Assembleia Legislativa, foi marcada por uma série de homenagens. No próprio domingo (19), data de seu falecimento, vítima de câncer, o corpo foi velado na Igreja Matriz de Ibirama. Ontem, foi transladado para Balneário Camboriú para ser cremado em ato reservado à família. Schneider era emedebista e foi aconselhado pelo governador Eduardo Moreira, que é médico, a se afastar temporariamente da política para se dedicar exclusivamente ao tratamento contra o câncer. Mas ele preferiu manter o plano traçado e assumiu a presidência do Legislativo estadual, que praticamente não conseguiu exercer pela debilidade causada pela doença e pelo tratamento. Schneider estava internado na UTI desde o dia 2 de agosto e sequer participou da convenção do MDB, realizada dois dias depois. Morreu aos 57 anos, deixando esposa e um casal de filhos. | Foto: Guto Kuerten
Amigos
Com a morte do deputado Aldo Schneider, o vice-presidente Silvio Dreveck (PP), que já vinha exercendo a presidência da Assembleia, assumirá o cargo em definitivo até o final do ano. Os dois eram amigos e por um tempo compuseram, juntos, a base do governo Raimundo Colombo, vencendo uma rixa histórica entre MDB e PP em uma articulação de Gelson Merisio (PSD). Agora, com a disputa eleitoral, estavam novamente em lados opostos.

Outra mudança

no Legislativo catarinense resultante do falecimento de Schneider é a volta do veterano Manoel Motta (MDB), de Araranguá, que assumirá a suplência. O deputado Fernando Coruja (Podemos), segundo suplente, passará a efetivo no cargo. Para a preencher a vice-presidência terá que ser feita uma eleição e não podem ser eleitos membros da Mesa.

Pioneira

A Fundação Celesc de Seguridade Social (Celos) recebeu o atestado de adesão ao Código de Autorregulação em Governança de Investimentos, entregue a entidades em conformidade com as regras e os princípios do código. O documento é concedido pela Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar (Abrapp), Sindicato Nacional das Entidades Fechadas de Previdência Complementar (Sindapp) e Instituto de Certificação Institucional e dos Profissionais de Seguridade Social (ICSS). A adesão é voluntária e a Celos foi a primeira do estado a requerer e conquistar o atestado, fruto de diversas ações de transparência e seriedade nos investimentos feitos pela Fundação.