Por: SC Portais

Nesta sexta-feira (10) a Fecomércio-SC comemorou 70 anos de criação, data marcada pelo lançamento de uma campanha institucional que tem como mote o olhar no futuro para garantir o dinamismo do comércio, serviços e turismo em Santa Catarina. Manter em movimento os setores representados pela Federação é essencial para a economia catarinense como um todo, uma vez que eles respondem por quase 64% dos empregos formais e por mais de 65% do Produto Interno Bruto (PIB) estadual.
Na segunda-feira (13), o atual presidente, Bruno Breithaupt, será reconduzido para o quadriênio 2018/2022. Quando concluir mais esta gestão, terá somado 13 anos à frente da Fecomércio-SC. Mas nem tudo são flores. Em artigo recente, Breithaupt afirma que o momento é desafiador, por conta do novo panorama sindical, que “exige amadurecimento e reestruturação da atividade” após a Reforma Trabalhista. Para ele, as mudanças exigem gestão transparente e profissional, com entidades sindicais cada vez mais alinhadas aos anseios de seus representados.
“Somam-se a isso as turbulências no cenário político e econômico que custaram ao país uma crise institucional sem precedentes. Próximo à virada da década, o setor produtivo precisa robustecer a representatividade para, assim, contribuir para a construção de um Brasil mais competitivo, produtivo e, com isso, menos desigual”, defende o líder empresarial.
Na imagem da chamada, o selo comemorativo.
Sob nova direção
A posse do novo presidente da Federação das Indústrias (Fiesc), Mario Cezar de Aguiar, foi bastante concorrida, com presença massiva de lideranças políticas, institucionais e empresariais. Entre elas, o governador Eduardo Pinho Moreira e o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade, e presidentes da maior parte das demais federações estaduais. O governador também participou do almoço de despedida de Glauco José Côrte da presidência. Em seu discurso de posse, Aguiar reconheceu que o momento é difícil e não evitou o tom de crítica: “É consenso que vivemos dias de incertezas e turbulências, frustrados pela má gestão e pela ineficiência no uso dos recursos públicos, que não são escassos. A utilização deles, contudo, exige muito mais zelo”. | Foto: Filipe Scotti/Fiesc

Boa!
O deputado Vicente Caropreso (PSDB), presidente da Comissão de Defesa dos Direitos da Criança e Adolescente da Assembleia, apresentou projeto de lei que cria algumas situações novas para potencializar a arrecadação do Fundo para Infância e Adolescência (FIA) no estado. Entre as mudanças, a proposta transforma o que atualmente é opção em obrigação das empresas controladas pelo governo, Celesc e Casan, por exemplo. Aprovado o projeto, elas terão que destinar, anualmente,  1% do Imposto de Renda devido a programas vinculados ao FIA.

Compromisso

A pré-candidata ao Senado pelo partido Rede Sustentabilidade, Miriam Prochnow, assinou a campanha Unidos Contra a Corrupção – Novas medidas para acabar com esse velho problema do Brasil, coordenada por uma coalizão de organizações e movimentos sem vínculos partidário. Miriam se comprometeu publicamente a, se eleita, lutar no Congresso Nacional para ver aplicada a plataforma de propostas de reforma legislativa, administrativa e institucional. A iniciativa traz um pacote com 70 medidas, incluindo anteprojetos de lei, propostas de emenda à Constituição, projetos de resolução e outras normas voltadas ao controle da corrupção. “O importante nessas propostas é que avançam em diferentes frentes contra um problema que é multifacetado. O fato de trazer a visão de diversos setores e instituições nacionais, com diferentes opiniões e ideologias, dá credibilidade às proposições para o enfrentamento da corrupção”, avalia Miriam.

Tá difícil

pagar as contas? O churrasquinho de final de semana já não rola mais como antes? Então saiba que enquanto você, os municípios, os estados e o país estão apertando os cintos para dar conta dos compromissos, ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e procuradores do Ministério Público Federal (MPF) aprovaram reajuste de mais de 16% para seus próprios salários. A decisão final será do Congresso que, como sempre, deverá manter a política da boa vizinhança e aprovar o aumento. Detalhe: no país do STF e do MPF a inflação acumulada dos últimos 12 meses foi de ,48% (IPCA-IBGE), igualzinha à registrada no país dos assalariados e dos empreendedores.

Apicultura

O setor cresce de forma exponencial. Santa Catarina já é o quarto maior estado em produtividade, com 315 mil colmeias. Para capacitar os apicultores, o Sebrae-SC, a Epagri e a FAASC promovem a Jornada Técnica de Apicultura até o dia 20 de agosto. Serão oferecidos encontros, palestras e visitas técnicas no Vale, Foz, Serra, Sul, e Oeste de Santa Catarina. Cerca de 10 mil famílias do estado dependem desse setor e 80% delas têm a apicultura como principal atividade econômica.