Por: SC Portais

“O papel propositivo da oposição”

Líder da Bancada do PT, deputado Dirceu Dresch

Fazemos oposição responsável. Apoiamos os projetos bons, mas nos contrapomos de forma veemente aos projetos e às atitudes do governo que julgamos contrárias aos interesses da população. Além do trabalho de acompanhar com “lupa” as ações do Executivo, é preciso ressaltar o trabalho propositivo dos deputados petistas durante 2017. Temos um time muito produtivo. Os cinco parlamentares petistas se destacam na apresentação de projetos, no trabalho em Plenário, nas comissões e no diálogo com a sociedade. Temos a responsabilidade de ser a voz dos interesses da população trabalhadora e dos municípios. A Bancada do PT é hoje referência dos movimentos sociais dentro da Assembleia Legislativa. Acredito que nas eleições de 2018 esse trabalho resultará no aumento da nossa bancada. Exemplo disso é o projeto de lei que garantiu o aumento de 12% para 15% de investimento obrigatório na área da Saúde e a proposta que extingue a aposentadoria vitalícia para governadores. São pautas que os parlamentares do PT defendem há muito tempo. A pressão por recursos para a Saúde deu resultado, e a proposta, que acabou se transformando em uma bandeira do Legislativo catarinense, virou realidade este ano. Nossa bancada é protagonista em pautar temas indigestos para alguns, mas importantes. Por isso, seguimos defendendo e dialogando com a sociedade organizada sobre importância da redução das Agências de Desenvolvimento Regional, a necessidade de transparência na concessão de incentivos fiscais, uma grande caixa preta que suga mais de R$ 5 bilhões ao ano, dentre outros temas. O ano de 2017 terminou sem um encaminhamento concreto do governador que ponha fim à crise em setores estratégicos como Saúde e Segurança Pública. A crise econômica revelou irregularidades e problemas graves de gestão que sempre existiram no governo Colombo, mas eram camufladas. A Saúde Pública está ainda mais fragilizada, com mais de R$ 800 milhões em dívidas, e a Segurança Pública tem enorme dificuldade para combater o crescimento da violência. Temos o mesmo efetivo policial que tínhamos há uma década e os celulares continuam entrando nas penitenciárias. O governo gasta mais de 10 milhões em propaganda, mas a situação real é uma vergonha.

Impeachment

O ano de 2017 termina sem que nenhum dos três pedidos de processo de impeachment contra o governador Raimundo Colombo, protocolados na Assembleia Legislativa, fossem respondidos.
Os pedidos cobram a apuração do desvio de R$ 1 bilhão em impostos devidos pela Celesc e os dados apurados pela Operação Lava Jato, os quais revelaram que Colombo e integrantes da equipe de
governo ofereceram a Casan como moeda de troca para receber dinheiro ilegal da JBS e da Odebrecht, para financiar campanhas. “Há uma blindagem política que hoje impede que o governador seja investigado ou punido. A sociedade exige uma resposta”, cobra o líder do PT, deputado Dirceu Dresch.

Congelamento

O governo Temer empurrou goela abaixo, e o governador Colombo aceitou. Sua base na Assembleia
Legislativa garantiu a aprovação do Projeto de Lei 350/2017, que fixa um teto de gastos públicos e congela investimentos do governo catarinense por dois anos. “Esse foi o grande retrocesso de 2017, e vamos sentir os efeitos já neste ano. O Estado de Santa Catarina ficará engessado, proibido de investir na qualidade do serviço público, fazer novas contratações e realizar obras, mesmo com aumento da arrecadação”, prevê Dresch.

Nova onda

Dresch aposta no crescimento da Bancada do PT na próxima eleição. Além do trabalho executado pelos deputados petistas, outro fator que considera que vai favorecer a sigla é a atual conjuntura
política do país. “A população já entende que o impeachment da presidenta Dilma Rousseff foi um golpe para tirar direitos dos trabalhadores e liquidar com as riquezas do país. Está escancarada a
perseguição jurídica e midiática contra Lula e o PT.” Dresch afirma que a participação de Lula na eleição presidencial é fato consumado.

A Coluna Pelo Estado traz a série Retrospectiva 2017/Perspectivas 2018, com temas abordados em artigos e notas por líderes de bancadas partidárias na Assembleia Legislativa, lideranças institucionais e empresariais.