Por: SC Portais | 11/06/2018
A imagem em destaque foi feita no sábado (9), em Chapecó, dia do jogo da Chapecoense com o Cruzeiro e no qual o time da casa venceu por 2 x 0. Mas essa massa humana, calculada em 12 mil pessoas, nada tem a ver com o jogo e tampouco olhava para um telão para acompanhar a partida que só começou horas mais tarde. Todas essas pessoas, e muitas mais que não aparecem na foto, se deslocaram das diferentes regiões de Santa Catarina até Chapecó para o lançamento da pré-campanha ao governo do Estado de Gelson Merisio, deputado estadual e presidente do PSD-SC.
Foram necessários 106 ônibus, alguns voos e uma quantidade não computada de carros e vans para transportar toda essa gente, recebida por 400 voluntários. Além de alguns independentes, lotaram um dos pavilhões da Efapi filiados ao próprio PSD e ainda ao PP, PDT, PSB, PRB, PSC, SOL, PROS, PHS, PRP, PSDC e PODE. No palco, onde se concentram os olhares atentos da foto, um grande número de lideranças políticas catarinenses declararam apoio ao pré-candidato.
 
Gelson Merisiso tem 52 anos, é natural de Xaxim, graduado em Administração de Empresas (Unoesc) e pela primeira vez se coloca como pré-candidato ao governo de Santa Catarina. Ele vem se preparando para o desafio já há alguns anos. Não por acaso, foi o primeiro entre os que disputam o cargo a compor uma aliança numerosa, com partidos de todos os tamanhos e que já fazem reuniões periódicas para a elaboração do plano de governo. Experiência em comando não falta a Merisio. Eleito vereador de Xanxerê em 1988, já em 1991 assumiu a presidência da Casa. Foi presidente da Associação Comercial e Industrial de Xanxerê (ACIX), presidente da Federação das Associações Empresariais (Facisc) e vice-presidente da entidade representativa nacional do setor, a CACB. Foi ainda diretor financeiro da Casan e presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae-SC.
Com todo esse conhecimento acumulado, em 2005 assumiu como deputado estadual ainda na condição de suplente, para ser eleito em 2006 e reeleito em 2010 e em 2014. Com um detalhe: na eleição de 2014 conquistou mais de 119 mil votos, um recorde no Legislativo estadual. Foi presidente da Assembleia Legislativa em 2010, reeleito para 2011/12 e, com a votação de 2014, novamente assumiu a presidência  no biênio 2015/2016. Segurança Pública é o tema no qual mais fala como candidato ao Executivo. Mas tem ações marcantes como deputado em Saúde, Gestão de recursos e incentivo à adoção.
No ato de lançamento de sua pré-candidatura, recebeu mensagens por vídeo do ministro Gilberto Kassab, presidente nacional do PSD, do deputado federal Esperidião Amin (PP) e do jovem vereador de Florianópolis, Pedro de Assis Silvestre (Pedrão), também do PP e o mais votado de Santa Catarina nas eleições de 2016.
[PeloEstado] – Como o senhor avalia o ato realizado em Chapecó?
Gelson Merisio – Foi um marco para o novo momento que começa a partir de segunda-feira (11). Vencemos uma etapa importante, de consolidação da aliança e de definição das prioridades. Agora vamos exercitar o diálogo com a sociedade e demais partidos para aumentar a aliança que, acredito, será vitoriosa na eleição de outubro. A partir disso, estamos reafirmando nossos compromissos com Santa Catarina, com a necessidade de enxugamento da máquina pública, com a definição de prioridades claras e exequíveis. Segurança Pública será o objetivo diário de cada uma das nossas ações.

 

[PE] – Sua pré-candidatura ao Executivo estadual é irreversível?
Merisio – Esse era o objetivo do evento de hoje. Não diria irreversível porque a vida às vezes nos apresenta caminhos diferentes. Mas sólido, consolidado, demonstrando claramente que não é um projeto pessoal. É projeto de um grupo consistente de lideranças. Estamos hoje, aqui, com mais de 100 prefeitos e vice-prefeitos, perto de 1.000 vereadores, e a presença maravilhosa de apoiadores. Teve gente que saiu do Extremo Sul do estado! Uma pessoa que fica 12 horas para vir e outras 12 para voltar, dentro de um ônibus, é porque acredita no projeto.

 

[PE] – Com a situação do senador Paulo Bauer, o senhor deve ir em busca dos votos dos tucanos?
Merisio – O Bauer deve ser respeitado por sua vida pregressa, pelo que já fez por Santa Catarina. O processo aberto é apenas de investigação, o que não o tira de qualquer cenário. Mas nós continuamos, sim, o diálogo com o PSDB, temos todas as portas abertas. Só não os convidamos para estarem aqui hoje porque o PSDB colocou a candidatura própria ao governo como algo intransponível.

 

[PE] – Havia uma expectativa de pelo menos um indicativo sobre o nome do candidato a vice em sua chapa no ato de lançamento. E isso não aconteceu. Qual o cenário?
Merisio – Continuamos mantendo o respeito ao que os partidos decidirem. Temos nomes que já disseram que aceitariam e gostariam de ser vice, caso do Ninfo König (vereador de Joinville pelo PSB), que é um grande nome. Mas, assim como eu, ele deve aguardar o tempo certo, junto com o seu partido e com a nossa aliança. Não podemos atropelar o processo. Há que se ter respeito a quem não pensa da mesma forma. O próprio PP ainda tem o nome do Esperidião Amin como pré-candidato ao governo e isso deve ser respeitado. Mas temos um processo que está afunilando. A partir de hoje as decisões serão tomadas com base no que saiu daqui de Chapecó, de uma candidatura posta de forma praticamente definitiva.

 

[PE] – Quais devem ser os temas predominantes nos debates de campanha?
Merisio – O grande debate será o tema da Segurança Pública. Como e quando serão feitas as ações necessárias. Entendo que falar a verdade é uma obrigação de todos. E, a questão das condições do Estado, temos que reconhecer o que foi feito de bom, o trabalho realizado até aqui, mas pontuando com clareza os desafios que teremos, que deverão ser enfrentados com transparência, com firmeza, para que não tenhamos os erros do Rio Grande do Sul e o Rio de Janeiro, que negligenciaram as ações que deveriam ser tomadas e quase faliram. Nós não vamos permitir que isso ocorra em Santa Catarina. Vamos discutir as dificuldades com a sociedade durante para que tenhamos legitimidade para, a partir de janeiro, exercermos nossas convicções.

 

[PE] – O senhor tem falado sempre de bombas-relógios que estão para explodir, como a situação das letras. Está preparado para enfrentar esses problemas? Isso pode desequilibrar o Estado?
Merisio – Isso é como um médico no pronto socorro de um hospital. Ele tem só uma maca e só um respirador e chegam 12 pessoas precisando de atendimento urgente. Quanto melhor for o médico, mais pessoas serão salvas e com menos sofrimento. É assim que temos que tratar a gestão pública: exercendo com plenitude o poder que nos é determinado pelo povo, com o preparo acumulado ao longo da caminhada e fazer o melhor possível dentro das condições postas. Isso se faz falando a verdade na campanha, sem prometer terreno na lua, porque não tem como ser entregue, mas fazendo o enfrentamento.

 

[PE] – Hoje ficou provado que Merisio não é candidato somente do Oeste, uma vez que o ato de Chapecó reuniu 12 mil pessoas vindas de inúmeros municípios e de todas as regiões.
Merisio – Nosso projeto é muito mais que regional. Mas é daqui do Oeste que vamos acionar a mola propulsora. Foi assim com Luiz Henrique em Joinville, foi assim com Colombo em Lages.

 

Origem dos ônibus mostra o mapa de apoio

02 – Tubarão
03 – Extremo Sul
04 – Norte
05 – Planalto Norte
05 – Planalto Serrano
07 – Grande Florianópolis
08 – Vale do Itajaí
09 – Criciúma
11 – Itajaí e região da Foz
12 – Meio Oeste
18 – Extremo-Oeste
22 – Região de Chapecó

Por Andréa Leonora
redacao@peloestado.com.br