Por: SC Portais

Confirmado candidato do MDB catarinense para concorrer ao cargo de governador do Estado, Mauro Mariani contou que os últimos dias foram de conversas intensas, “com exercício da paciência”. Decidido a esperar o tempo de cada partido e de cada pré-candidato, ele afirmou que não ficou ansioso. “Sempre disse que tudo seria decidido nos últimos minutos. Eu estava muito tranquilo, porque já tínhamos fechado uma aliança consistente e eu estava feliz com essa aliança inicial. Já tinha segurança de que com aquele time nós faríamos uma boa eleição.”
Com a chapa montada – Mariani (MDB) ao governo, Napoleão Bernardes (PSDB) a vice, Jorginho Mello (PR) e Paulo Bauer ao Senado -, agora o foco do candidato é na linguagem da campanha e na exposição das prioridades. “Faremos uma campanha propositiva, entendendo a sociedade catarinense como exemplar. Não podemos ter uma sociedade maravilhosa, que é a melhor do Brasil, com um povo empreendedor, carregando um governo ineficiente.” Entre as prioridades, Educação, especialmente o Ensino Médio, e a nova economia, com atenção ao Turismo e à Tecnologia. Além disso, cobrança sem descanso para que toda a máquina administrativa e as empresas públicas de Santa Catarina sejam “altamente eficientes”.
Ao falar sobre o interior catarinense, lembrou que foi prefeito de um município de médio porte (Rio Negrinho) e que conhece todos os 295 municípios do estado. “O interior pode ter certeza de que vai ter um governador com uma predisposição muito grande de equalizar o desenvolvimento no estado.” E as Agências de Desenvolvimento Regional (ADRs)? A resposta foi rápida: “Vamos manter o espírito, mas rever a forma.” Para trabalhar com tranquilidade, prevê a ampliação a bancada do MDB na Assembleia, podendo chegar a 12 deputados estaduais. Na Câmara dos Deputados, aposta em seis eleitos pelo MDB-SC.
A chapa desejada
Gelson Merisio (PSD) conseguiu. Virou, mexeu, avançou, recuou e saiu do último final de semana das convenções com a chapa dos sonhos: seu próprio nome para o Executivo estadual, João Paulo Kleinübing (DEM) de vice, Raimundo Colombo (PSD) e Esperidião Amin (PP) para o Senado. Não foi só. Em nome do projeto de governar Santa Catarina, conseguiu também reunir a maior aliança para a disputa em outubro. Resultado de um trabalho iniciado há pelo menos dois anos e que agora coloca no mesmo barco partidos que poderiam ser antagônicos, como PP e PCdoB. “O momento político pede união e não polarização. Mais que partidos, o eleitor quer saber de projetos. Vencida a etapa da costura política, nosso foco agora é propor um novo salto de desenvolvimento, uma nova Santa Catarina”, disse Merisio, que foi um dos principais defensores do rompimento do PSD com o MDB. Na foto, ainda comemorando o resultado das convenções com Colombo, Kleinübing, Amin e o presidente do PP-SC, Silvio Dreveck.  | Foto: João Debiasi/Divulgação PSD
Em tempo 1
Questionado sobre o clima de uma primeira eleição sem o senador Luiz Henrique da Silveira, grande líder emedebista falecido em maio de 2015, Mauro Mariani foi enfático: “Ele estará na eleição conosco”. Para quem não acredita nisso, pode se contentar com uma representante e tanto. Ivete Appel da Silveira, viúva do senador, será suplente de Jorginho Mello na disputa ao senado. “Ela está feliz, alegre, contente, querendo ir para a estrada. E eu estou mais feliz que ela”, comemorou Mariani. Além da energia própria dos “Silveira”, Ivete quebra um pouco o perfil majoritariamente masculino da chapa.

Em tempo 2

No final das contas, Merisio conseguiu consolidar uma aliança forma por 15 partidos – PSD, PP, DEM, PSB, PDT, Podemos, Solidariedade, PRB, PSC, PROS, PRP, PCdoB, PHS, PPL e PV. Este último estava no apoio da fulgaz candidatura de Amin ao governo e foi junto quando houve o novo entendimento. Já o PPL e o PRP tomaram a decisão de se incorporarem no chapão quando PP e DEM se uniram ao PSD.

Acessibilidade

Mais facilidade e segurança é o que a bengala automatizada desenvolvida por estudantes do curso de Manutenção e Suporte em Informática do Cedup Abílio Paulo, de Criciúma, proporciona aos deficientes visuais. Por meio de um projeto de sala de aula sob a orientação do professor Alexsander Spritze, os alunos Alaércio Júnior Marques e Vitor Azambuja Silvano estão participando essa semana do Encontro de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, em Brasília. O equipamento possui sensor ultrassônico e fone de ouvido para dar mais acessibilidade aos usuários.