Por: SC Portais | 18/09/2018

O grande número de indecisos sobre o voto nas próximas eleições alterou o tom de algumas campanhas eleitorais. Mas o número ainda maior de mulheres indecisas gerou uma verdadeira guinada. Os candidatos com um pouco mais de tempo nos programas de rádio e TV elegeram esse segmento da sociedade para focar. Aqui no estado, Gelson Merisio (PSD, Aqui é trabalho) e Décio Lima (PT, Renova SC) lançaram a proposta de colocar mulheres em pelo menos 50% dos cargos executivos. O primeiro já fez isso como presidente da Assembleia; o segundo, como prefeito de Blumenau. Já Mauro Mariani (MDB, Santa Catarina quer mais) tem no plano de governo a criação da Secretaria da Mulher para elaborar e efetivar políticas específicas, além de coordenar as ações de todo o governo para acabar com desigualdade de gênero.

Os três tratam também da questão da segurança da mulher, sempre tendo a pressão de estatísticas nada favoráveis para o estado neste tema. Mariani prevê a criação de centros de apoio à mulher, além de equipar e orientar as equipes para acolher e atender melhor as vítimas de violência. Décio Lima vai seguir o mapa das Associações de Municípios e abrir 21 delegacias especializadas, uma em cada região, com plantão 24 horas. E Merisio quer implantar as delegacias exclusivas para mulheres, como preconiza a Lei Maria da Penha, mas também uma rede ampla de casas de acolhimento para as vítimas que ainda aguardam do Poder Judiciário medidas protetivas.

Estradas vicinais

O candidato ao governo do Estado Mauro Mariani, que pegou experiência ao conduzir, como secretário de Infraestrutura do governo Luiz Henrique da Silveira, o maior programa de pavimentação da América Latina, levando acesso a 54 municípios, agora está se impondo um novo desafio: pavimentar três mil quilômetros de estradas vicinais do estado. O plano é realizar as obras durante os quatro anos de governo para facilitar o escoamento da produção. A ideia é estabelecer parcerias com os municípios, garantindo a eficiência do programa. “O senador Dário Berger, ao lado de nossa bancada federal, garantiu no orçamento da União recursos para dez usinas de asfalto em Santa Catarina. Vamos reduzir em 50% o custo dessas obras e ajudar o estado a avançar na logística, facilitando a vida de quem produz nesse estado”, ressaltou.

Só um mandato

O candidato ao governo pela coligação Aqui é Trabalho, Gelson Merisio, não tem se poupado de assumir compromissos considerados difíceis por muitos candidatos. Depois de se comprometer a nomear mulheres para pelo menos 50% dos cargos de chefia, o pessedista antecipou outra importante decisão de gestão num eventual futuro governo. “Eleito governador, não desejo e não vou disputar a reeleição, porque acredito que a preocupação com o segundo mandato compromete o primeiro”, afirmou a eleitores em Blumenau, durante roteiro no Vale do Itajaí, ao explicar que busca “realizar na plenitude apenas um mandato”.

Na eleição nacional, a corrida pelo segundo lugar também está causando ajustes rápidos nos discursos e nas propostas. Não só isso, mas também na mira dos candidatos. Geraldo Alckmin (PSD) confrontava Jair Bolsonaro (PSL) em suas propagandas. Agora, confirmada a candidatura de Fernando Haddad (PT), e com o tucano perdendo ainda mais pontos nas pesquisas, o tiro é duplo: ataque ao candidato do PSL e aos governos do PT.

Pesquisas e indecisos Com tantos indecisos, os marqueteiros de plantão estão atentos a cada pesquisa para ajustar as estratégias. Ontem foi divulgada a pesquisa da Confederação Nacional dos Transportes (CNT/MDA), que coloca Bolsonaro (28,2%) e Haddad (17,6%) no segundo turno.

Painel Hoje pela manhã, na sede da Fecomércio-SC, em Florianópolis, será entregue a Carta do Comércio em painel para o qual foram convidados os três candidatos na dianteira das pesquisas – Mariani, Merisio e Lima.

Padrão na água Já estão circulando no mercado catarinense mais de 200 mil garrafões com o padrão da Associação Catarinense das Indústrias de Água Mineral (Acinam). A decisão de padronizar os vasilhames de 20 litros foi para garantir ao consumidor o direito à escolha e evitar a concorrência desleal no estado. O presidente da Acinam, Alceu Poffo, justificou que os consumidores estavam ficando reféns de marcas com galões exclusivos. Os recipientes da Acinam são identificados por uma marca em relevo.