Por: SC Portais

O presidente da Federação das Indústrias (Fiesc), Mario Cezar de Aguiar, pediu agilidade ao governo do Estado na liberação das licenças ambientais para a instalação do Terminal de Regaseificação de Gás Natural Liquefeito (GNL) na Baía da Babitonga, em São Francisco do Sul. A manifestação foi nesta quinta-feira (5), durante evento sobre o Novo Mercado do Gás Natural, promovido pela Câmara de Assuntos de Energia da entidade. O projeto, orçado em R$ 380 milhões, é da empresa norueguesa Golar Power Latam e consiste na instalação de um navio, atracado a 300 metros da costa catarinense e conectado à terra por um gasoduto submarino, que será incorporado à rede da Transportadora Brasileira Gasoduto Bolívia-Brasil (TBG), paralela à BR-101. A empresa já obteve a licença ambiental prévia (LAP) do Instituto do Meio Ambiente (IMA) e aguarda a Licença de Operação (LO).

Segundo Aguiar, será possível a produção de 16 milhões de metros cúbicos/dia para abastecer indústrias como a de cerâmica e metalmecânica, comércio, residências e veículos. O volume é muito superior à oferta atual, que gira em torno de 2 milhões m³/dia. Com a solução, Santa Catarina passará ao status de exportador de gás natural. Além da garantia de suprimento, o estado vai deixar de pagar R$ 300 mil/dia de ICMS de importação do gás do Mato Grosso.

O presidente da Companhia de Gás Catarinense (SCGÁS), Willian Anderson Lehmkuhl, acrescentou que o investimento ganha importância ainda maior porque está previsto para março de 2020 o fim do contrato da companhia com a Bolívia, fornecedora do insumo por meio do Gasoduto Bolívia-Brasil (Gasbol), e passará a vigorar o ambiente de livre contratação.

 

Epidemia de feminicídio

Foto: Arquivo ASCOM/DEPESC

 

A Defensoria Pública de Santa Catarina registrou, até agora, em 2019, o assassinato de 53 mulheres por seus companheiros, sejam maridos, namorados ou ex. Segundo a defensora Anne Teive Auras (foto), o órgão conta com 117 defensores e está em 24 comarcas, mas a atuação específica em Defesa da Mulher é limitada a Florianópolis, Brusque, Joinville e Rio do Sul. “Um dos desafios é expandir e fortalecer a rede de proteção e apoio às vítimas de violência doméstica”, afirma. Até esta semana, 263 atendimentos foram contabilizados apenas na Capital. “A maioria busca orientação sobre seus direitos ou solicita medidas protetivas para que o agressor não se aproxime mais ou seja afastado de casa”, ressalta.

 

“A proposta de aumentar o valor do repasse do fundo eleitoral em 2020 não conta com o meu apoio e terá meu voto pela rejeição quando for levado ao Plenário da Câmara. Avalio que o tema está em absoluta desconexão com os anseios e prioridades da nossa sociedade.”

Ângela Amin, deputada federal (PP-SC)

 

Bombeiros Voluntários O deputado Sargento Lima (PSL) cobrou do governo Carlos Moisés, nesta quinta-feira, o repasse de R$ 6 milhões para o Corpo de Bombeiros Voluntários de Joinville, que atende mais de 50 municípios da região. Listou 23 tratativas entre a entidade e o governador ou secretários desde 3 de janeiro para firmar o convênio, mas não foi paga nem a primeira das duas parcelas acertadas.

 

Pedido de desculpas Sargento Lima ainda pediu desculpas pela crítica feita na véspera ao prefeito Udo Döhler (MDB) por Joinville não ter aderido ao Programa Recuperar, para manutenção de rodovias estaduais. Seriam R$ 403 mil mensais para a região Norte assumir reparos que deveriam ser feitos pelo Estado. “Agora eu concordo com o prefeito Udo. É preciso ter base sólida para assumir um compromisso. E tudo indica que o município absorveria um encargo, mas não receberia o repasse.” Lima tirou a carteira do bolso e disse que o governo “só quer isso de Joinville”, referindo-se ao município que arrecada quase um quarto dos impostos estaduais.

 

Só com médico O presidente do Sindicato dos Médicos (Simesc), Cyro Soncini, comemorou a decisão da Justiça que atendeu parcialmente a Ação Civil Pública que pretendia impedir a abertura da casa de parto sem assistência médica e fora do ambiente hospitalar. A decisão determina que a casa só poderá funcionar com a presença de médicos, além de sala cirúrgica ou rede de transporte em tempo hábil. “Não podemos viver de aventuras quando é a vida de nossos filhos que está em jogo. Ambiente adequado, equipamentos disponíveis e recursos humanos preparados são indispensáveis para um parto seguro”, comentou Soncini.

 

Homenagem Na próxima segunda-feira (9), o deputado federal Carlos Chiodini (PMDB-SC) promoverá uma sessão solene em homenagem aos 30 anos da Rádio Brasil Novo, de Jaraguá do Sul, e aos 60 anos de profissão do diretor-geral da rádio, locutor, apresentador e comentarista Reali Júnior.
A solenidade será realizada às 11 horas, no Plenário Ulysses Guimarães, na Câmara dos Deputados, em Brasília.

 

Colaborou: Jornalista Juliana Wilke