Por: SC Portais | 24/02/2018

A reunião da Diretoria da Federação das Indústrias (Fiesc) desta sexta-feira (23) foi concluída com o lançamento da segunda etapa do Programa Indústria Solar, considerada a maior ação para popularização da energia solar já realizada no Brasil. Proposta pela própria Fiesc e executada pela Engie e WEG, a iniciativa foi comemorada pelo presidente da Associação Brasileira de Energia Fotovoltaica (Absolar), Rodrigo Sauaia, que participou do ato. Ele destacou o pioneirismo do estado nessa área, o que explica o fato de Santa Catarina ter praticamente 10% dos sistemas fotovoltaicos do país, detendo 2,1 mil sistemas dentro do universo de 22,8 instalados no conjunto dos estados. Esta segunda etapa pretende atender indústrias de pequeno porte, que não exigem alta tensão, mas têm um peso maior da energia em seus gastos comparando com as grandes. Por isso é tão atraente a economia média mensal, que pode variar de R$ 1,2 mil a R$ 3,5 mil. O diretor de Operações da Engie Solar, Rodrigo Kimura, revelou que imediatamente após o lançamento foi procurado por representantes de pelo menos dez indústrias interessadas em aderir ao programa. O presidente da Fiesc, Glauco José Côrte, disse que a iniciativa trará muitos benefícios para a indústria catarinense, como maior sustentabilidade e proteção aos reajustes no preço da energia.

Mais armas, mais violência

O novo secretário de Estado de Segurança Pública, Alceu de Oliveira, é veementemente contra a facilitação da compra de armas por cidadãos comuns, tema em debate no Congresso Nacional. Para ele, isso poderá colocar mais armas a serviço da violência. “Quando há uma ocorrência criminal, o principal fator de defesa não é a arma, mas o elemento surpresa”, ensina ao afirmar que a população não tem treinamento para uma rápida tomada de decisão diante de um criminoso. “Mais vale desarmar aqueles que estão com armas ilegalmente do que armar aqueles que, em tese, poderiam se defender. Arma na mão nunca foi sinônimo de segurança. Sinônimo de segurança é arquitetura urbana, é iluminação pública, é monitoramento, é comunidade organizada. Arma na mão do cidadão é mais perigosa do que benéfica”, defende. Alceu de Oliveira é o entrevistado da próxima semana da Pelo Estado Entrevista, que circulará na rede de veículos da CNR-SC/ADI-SC/Central de Diários e SCPortais.

“No mês passado, mais uma vez, o turismo alavancou a arrecadação do Estado, que chegou a patamares poucas vezes vistos. Em relação a janeiro de 2017, a receita cresceu 10,9%, boa parte gerada pelo movimento turístico em Santa Catarina. Porque os turistas fazem a economia girar.”
Manifestação do secretário de Turismo, Cultura e Esporte, Leonel Pavan

De posse em posse…

O governo Eduardo Moreira se organiza. Na tarde da próxima terça-feira (27), Marcelo Mello Rego assumirá a Secretaria de Estado da Comunicação (Secom). A adaptação do novo secretário à pasta deve ser rápida, uma vez que ele já atuou como diretor de Comunicação nos dois mandatos de Luiz Henrique da Silveira como governador. O nome de Marcelo Rego foi uma escolha pessoal de Moreira. Transparência será a base de seu trabalho na Secom.

Em março, Moreira pretende que todos os secretários que vão disputar eleições entendam o recado e deixem os cargos, mesmo antes do prazo final para a desincompatibilização exigida pela lei eleitoral. Assim poderá nomear mais gente de sua equipe, como Romana Remmor, do MDB de Criciúma, na Assistência Social, e Adenilso Biasus, do MDB de Xanxerê, para no Desenvolvimento Econômico Sustentável.

Novas frentes

Os deputados estaduais já criaram três novas frentes parlamentares em 2018. Nesta sexta-feira (23), o presidente da Casa, deputado Aldo Schneider (MDB), assinou a instituição da Frente Parlamentar da Primeira Infância, proposta pelo deputado Fernando Coruja (MDB). Ele quer que a frente atue na elaboração do Plano Estadual da Primeira Infância. O deputado Valmir Comin (PP) conseguiu a criação da Frente Parlamentar do Pacto pela Proteção Social e do Programa de Regularização Fundiária (Reurb-SC). E o deputado Cesar Valduga (PCdoB) organizou a Frente Parlamentar da Cadeia Produtiva da Reciclagem.

Gás universal

A SCGás está completando 24 anos neste domingo (25). A Companhia, que atualmente atende mais de 12 mil clientes, já distribuiu mais de 9 bilhões de m³ de gás natural em quase 18 anos de operação. Para o futuro, segundo o presidente Cósme Polêse, o desejo é garantir, da maneira mais rápida possível, a universalização da oferta do gás natural. O combustível continua como uma das melhores opções considerando custo e impacto ambiental.