Por: SC Portais

Uma das atividades mais antigas da humanidade, o comércio gera emprego, renda e ajuda a movimentar a economia mundial. Entretanto, se ganha o adjetivo de ilegal, o efeito é contrário. E é exatamen te isso que está preocupando a Organização Mundial do Comércio (OMC), que trabalha com números alarmantes: a prática já chega próximo de US$ 650 bilhões; os fluxos financeiros ilegais relacionados a transações ilegais totalizam US$ 1,3 trilhão; a economia ilegal represente cerca de 15% do PIB mundial. Evasão de riquezas, risco para a saúde, uso de mão de obra escrava, violência e fortalecimento do crime organizado são os resultados imediatos. Nesta semana, em Buenos Aires, Argentina, o tema será tratado durante a 11a Conferência Ministerial da OMC, que contará com a apresentação do caso do Brasil. Levantamento do Fórum Nacional Contra a Pirataria e a Ilegalidade (FNCP) aponta que, em 2016, o contrabando, a falsificação e pirataria geraram perdas para o país da ordem de R$ 130 bilhões. A Receita Federal diz que mais de 65% dos contrabando que entra no Brasil são cigarros, chegando a 45,2 milhões de unidades só em 2016.

 

O governador Raimundo Colombo aproveitou a agenda em Ituporanga nesta sexta-feira (8), para prestar uma homenagem à Escola de Ensino Fundamental Mont’Alverne, que venceu o Prêmio Gestão Escolar 2017, superando mais de 4 mil concorrentesde todo o país. O governador visitou a unidade e também encontrou a diretora Viviane Rosa Bennert em solenidade realizada na Câmara dos Vereadores de Ituporanga. “Queremos parabenizar todos os envolvidos pelo trabalho realizado que acaba de ter reconhecimento nacional, o que nos deixa muito felizes e motivados”, afirmou.

A escola recebeu R$ 30 mil na premiação e o governador anunciou liberação de recursos para melhorias na unidade, como forma de incentivo para que o bom trabalho continue. Ao agradecer, Viviane lembrou que “o prédio da escola é de 1948. Essa ajuda é muito bem-vinda”. Na imagem, um recorte do vídeo que foi para as redes sociais divulgando o repasse.

Roteiro intenso – O governador Colombo também visitou o município de Braço do Trombudo, no Alto Vale do Itajaí, e inaugurou a reforma e ampliação do Hospital Maria Auxiliadora, em Presidente Getúlio. Na quinta-feira (7), teve agendas em Monte Castelo e Timbó Grande. O roteiro foi cumprido em condições nada agradáveis – 34o de temperatura.

Urgência – O presidente da Embratur, Vinícius Lummertz, espera que na segunda-feira (11)seja votado o regime de urgência para o projeto que prevê a abertura das empresas aéreas, para que possam se capitalizar. É apenas um dos pontos da proposta que prevê 130 modificações na Lei Geral do Turismo e se arrasta no Congresso Nacional. “Concluir esse processo é a minha mais importante missão na presidência da Embratur”, disse Lummertz em entrevista recente à coluna.

Fôlego –  Líder da bancada do PMDB na Assembleia, deputado Mauro de Nadal mostrou fôlego de quem está em campanha com vereadores, especialmente os da região Oeste, que é a sua região. Foi um dos palestrantes do Encontro Estadual da União dos Vereadores (Uvesc), quando estimulou os mais de 400 participantes a seguirem com suas atividades políticas,fazendo o enfrentamento para o descrédito da classe em geral.

Queda de braço Enquanto o governo articula para ver aprovada ainda em 2017 a reforma da previdência, os campos oponentes mostram suas armas. A Confederação Nacional da Indústria (CNI) mantém no ar a campanha “Previdência: reforma hoje, tranquilidade amanhã”, com adesão da Federação das Indústrias (Fiesc).A entidade anunciou que nos próximos dias vai intensificar as manifestações pela aprovação das novas regras de aposentadoria. Já as entidades representativas dos trabalhadores, estão organizando manifestações com o mote “Se botar para votar o Brasil vai parar”.

Queda de braço Enquanto o governo articula para ver aprovada ainda em 2017 a reforma da previdência, os campos oponentes mostram suas armas. A Confederação Nacional da Indústria (CNI) mantém no ar a campanha “Previdência: reforma hoje, tranquilidade amanhã”, com adesão da Federação das Indústrias (Fiesc).A entidade anunciou que nos próximos dias vai intensificar as manifestações pela aprovação das novas regras de aposentadoria. Já as entidades representativas dos trabalhadores, estão organizando manifestações com o mote “Se botar para votar o Brasil vai parar”.

Queda de braço Enquanto o governo articula para ver aprovada ainda em 2017 a reforma da previdência, os campos oponentes mostram suas armas. A Confederação Nacional da Indústria (CNI) mantém no ar a campanha “Previdência: reforma hoje, tranquilidade amanhã”, com adesão da Federação das Indústrias (Fiesc).A entidade anunciou que nos próximos dias vai intensificar as manifestações pela aprovação das novas regras de aposentadoria. Já as entidades representativas dos trabalhadores, estão organizando manifestações com o mote “Se botar para votar o Brasil vai parar”.

Queda de braço Enquanto o governo articula para ver aprovada ainda em 2017 a reforma da previdência, os campos oponentes mostram suas armas. A Confederação Nacional da Indústria (CNI) mantém no ar a campanha “Previdência: reforma hoje, tranquilidade amanhã”, com adesão da Federação das Indústrias (Fiesc).A entidade anunciou que nos próximos dias vai intensificar as manifestações pela aprovação das novas regras de aposentadoria. Já as entidades representativas dos trabalhadores, estão organizando manifestações com o mote “Se botar para votar o Brasil vai parar”.

Queda de braço Enquanto o governo articula para ver aprovada ainda em 2017 a reforma da previdência, os campos oponentes mostram suas armas. A Confederação Nacional da Indústria (CNI) mantém no ar a campanha “Previdência: reforma hoje, tranquilidade amanhã”, com adesão da Federação das Indústrias (Fiesc).A entidade anunciou que nos próximos dias vai intensificar as manifestações pela aprovação das novas regras de aposentadoria. Já as entidades representativas dos trabalhadores, estão organizando manifestações com o mote “Se botar para votar o Brasil vai parar”.

Queda de braço –  Enquanto o governo articula para ver aprovada ainda em 2017 a reforma da previdência, os campos oponentes mostram suas armas. A Confederação Nacional da Indústria (CNI) mantém no ar a campanha “Previdência: reforma hoje, tranquilidade amanhã”, com adesão da Federação das Indústrias (Fiesc).A entidade anunciou que nos próximos dias vai intensificar as manifestações pela aprovação das novas regras de aposentadoria. Já as entidades representativas dos trabalhadores, estão organizando manifestações com o mote “Se botar para votar o Brasil vai parar”.

A reportagem Preservação pode tirar rios de situação de risco, da jornalista Dyovana Koiwaski Ruaro (O Correio do
Povo – OCP), associado à ADI-SC, foi escolhida como a melhor da Regional Jaraguá do Sul na 10a edição do Prêmio Fatma de Jornalismo Ambiental. A premiação aconteceu na noite de quinta-feira (7), em Florianópolis. Na prática, foi a última edição do Prêmio Fatma. É que em breve a Fundação passará ao status de Instituto do Meio Ambiente de Santa Catarina.