Por: SC Portais

A Assembleia Legislativa de Santa Catarina recebeu, nesta sexta-feira (16), o Dr. Dráuzio Varella, oncologista, cientista e escritor, conhecido por popularizar a informação médica no Brasil. Ele veio ao estado para participar do lançamento do Manual de Apoio ao Paciente com Câncer. Em entrevista antes da palestra que proferiu, ele afirmou que o estado tem uma área de Saúde mais organizado que a maioria dos demais, o que se comprova também por um sistema de detecção de doenças mais eficiente. Por outro lado, chamou a atenção para o fato de no Sul do país, mais fortemente no Rio Grande do Sul, o número de fumantes ser maior que a média nacional. “E o cigarro é responsável por um em cada três casos de câncer”, alertou. Sobre a iniciativa do Legislativo estadual de elaborar e distribuir
cartilhas com as leis que garantem direitos aos pacientes de câncer, Varella disse que próprios doentes e tampouco seus familiares conhecem a legislação sobre o assunto. “É uma publicação resumida e bem prática. Os problemas
podem ser minorados se as pessoas conhecerem seus direitos.” Ele contou que começou a fazer Oncologia nos anos 1970, em São Paulo, e que de lá para cá houve uma ruptura do tabu. Por vezes nem mesmo o doente ficava sabendo do diagnóstico. “Câncer ainda é uma palavra muito assustadora, mas as formas de tratamento evoluíram, os índices de cura também. Hoje em dia é maior a esperança de ficar livre da doença.” O médico defendeu que o câncer deve ser prioridade no sistema público de saúde. Para ele, a medida ajudaria no diagnóstico precoce, uma vez que a espera por consultas e exames que ocorre atualmente muitas vezes determina o agravamento do quadro e obriga à realização de cirurgia de maior porte. Varella foi convidado pelo presidente da Assembleia, deputado Silvio Dreveck (PP). Participaram também da palestra o presidente da Comissão de Saúde, deputado Neodi Saretta (PT), além de representantes da Secretaria de Estado da Saúde e também da Rede Feminina de Combate ao Câncer.
Abraço esperado
A sede da Celesc, em Florianópolis, ganhou um clima diferente com o Natal Solidário, um projeto desenvolvido há 12 anos e que conta com o engajamento dos empregados em todo o estado. Na ação deste ano, desenvolvida também nas Agências Regionais da companhia durante todo o mês de dezembro, os funcionários apadrinharam mais de duas mil crianças de aproximadamente 20 creches, escolas e outras instituições catarinenses. Os presentes são entregues pelo Papai Noel, em um dia de evento com muita brincadeira e diversão para a garotada. “Essa aproximação com a comunidade é muito importante para a Celesc e uma maneira de reafirmar o seu papel social, não apenas como fornecedora de energia, mas como agente transformador capaz de contribuir com a vida das pessoas”, afirma Regina Schlickmann Luciano, assessora de Responsabilidade Social da distribuidora.
Ana Carolina DallAgnol/Celesc
Falando nisso… O deputado Décio Lima (PT-SC) apresentou projeto de lei que propõe a possibilidade de licença aos pais ou responsáveis legais para o acompanhamento de filhos em tratamentos oncológicos ou internados. “Alguns servidores públicos, em determinadas situações, já contam com esse direito, podendo acompanhar parentes por até 60 dias. É questão humanitária estender essa garantia aos trabalhadores privados”, comparou.
Pequenas agroindústrias A Assembleia aprovou projeto do deputado Valdir Cobalchini (PMDB) que possibilita aos estabelecimentos de pequeno porte e agroindústrias familiares registrados no Serviço de Inspeção Municipal (SIM) comercializarem seus produtos dentro da área abrangência da associação de municípios à qual pertencem, sem a necessidade de registro no Serviço de Inspeção Estadual (SIE). Atualmente, esses produtos só podem ser comercializados dentro do município de origem.
Portuñol A Embratur lançou uma campanha institucional inusitada. Mais voltada para os estados do Sul do Brasil, as peças estão sendo veiculadas em todos os países da América Latina com o slogan Aqui hablamos Portuñol: en Brasil todo mundo se entiende. Presidente da Embratur, Vinícius Lummertz é catarinense e sabe bem a importância
do “portunhol” por aqui: “Não é só sobre um jeito diferente de falar. É sobre um país que está disposto a combinar sotaques e palavras para que cada visitante se sinta acolhido, esperado, celebrado. É sobre um povo que se esforça para entender o visitante”.