Por: SC Portais

O índice de roubo de caminhões e cargas aumentou significativamente em Santa Catarina. De 2008 a 2016, esse tipo de crime teve incremento de 274%, segundo dados da Federação das Empresas de Transporte de Carga e Logística (Fetrancesc). Para coibir a prática, foi criada oficialmente ontem à tarde, na sede da Secretaria de Estado da Segurança Pública, a Divisão de Furtos e Roubos de Cargas (DFRC), braço da Diretoria Estadual de Investigações Criminais (DEIC). A criação da divisão especializada foi assinada pelo secretário César Grubba, na presença do presidente da Fetrancesc, Ari Rabaiolli, do diretor geral da Polícia Civil, Artur Nitz, e do delegado Raphael Werling de Oliveira, responsável pela DFRC, entre outros representantes do setor de Transportes de Cargas e da área da Segurança. Grubba disse que o aumento mais significativo de casos ocorreu em 2016 sobre 2015, e que em 2017 já houve recuo. Ele acredita que com a nova divisão vai se elevar o índice de resolutividade, que estima em 65%, uma vez que até agora essas ocorrências iam para a Divisão de Furtos e Roubos de Veículos e não recebiam o tratamento adequado. Ainda que a atuação da nova estrutura vá abranger todo o território catarinense, por meio da integração com as Divisões de Investigações Criminais (DICs), Werling adiantou que a maior preocupação se concentra no Norte e no Vale do Itajaí. O secretário defende que o combate ao roubo de cargas é uma forma de conter também o avanço do crime organizado no estado. As mercadorias roubadas e vendidas sem qualquer controle causam prejuízos às empresas, ao fisco e ainda financiam o tráfico de armas e drogas.

“Efeito devastador”

O governador em exercício, Eduardo Moreira, demonstrou toda a sua indignação ao falar da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADIn) que teve que encaminhar ao Superior Tribunal Federal (STF) com pedido de liminar contra uma lei promulgada no final de 2017 na Assembleia Legislativa. É que o projeto, de origem governamental, tratava do Programa Catarinense de Recuperação Fiscal (Prefis) e, durante a tramitação, recebeu uma emenda, que nasceu no gabinete do deputado tucano Marcos Vieira, autorizando o uso de debêntures da Santa Catarina Participações e Investimentos (Invesc) para pagamento de dívidas de ICMS. De acordo com Moreira, a emenda recebeu veto do governador Raimundo Colombo, rejeitado pelos deputados. “Essa estratégia foi indecorosa. Se não conseguirmos reverter, isso vai trazer o caos financeiro para Santa Catarina. O efeito será devastador”, criticou ao afirmar que o prejuízo pode chegar aos R$ 6,2 bilhões, com reflexo sobre o repasse para os municípios, Legislativo, Judiciário, Udesc e Ministério Público, além da retirada de investimentos em áreas de ponta, como Saúde, Educação e Segurança. Na foto, Moreira fala aos repórteres ao lado do procurador-geral Ricardo Della Giustina, que recomendou a ADIn.

Receptação

A Divisão de Furtos e Roubos de Cargas, da DEIC, é uma das conquistas da Fetrancesc, que comemora a aprovação na Assembleia Legislativa da lei que cassa a inscrição estadual de estabelecimentos flagrados em receptação de produtos roubados. O projeto do deputado Patrício Destro (PSB), relatado pelo deputado Darci de Matos (PSD), chegou a ser vetado pelo Executivo, mas o veto foi rejeitado no Legislativo. Agora, técnicos da Fetrancesc e da Secretaria de Estado da Fazenda trabalham juntos para a regulamentação da nova lei.

Agora vai

Antes do desabafo sobre a questão de debêntures, Eduardo Moreira coordenou a entrega da licença ambiental ao Deinfra para a construção do novo acesso ao Sulda Ilha de Santa Catarina, área insular da Capital. Presente ao ato, o presidente da Fatma, Alexandre Waltrick, falou da complexidade do estudo. A obra é fundamental para a ampliação do Aeroporto Internacional Hercílio Luz.

Luto

Morreu ontem à tarde, em Criciúma, aos 81 anos, o ex-prefeito e ex-deputado estadual Altair Guidi. nEle estava internado na UTI devido ao mau funcionamento dos rins. Altair é pai do deputado Ricardo Guidi, que cumpre mandato na Assembleia.

Via WEB

Consumidores em dívida com a Celesc podem regularizar a situação com parcelamento do débito via Agência Web.  A modalidade é válida para quem tem faturas em atraso entre R$ 450,00 e R$ 3 mil. As condições são as mesmas oferecidas nas lojas: entrada de 33% e parcelamento do saldo em até seis vezes. Para utilizar o sistema, basta fazer o cadastro na Agência Web, no site celesc.com.br