Por: SC Portais

Santa Catarina continua sendo destaque no país em vários indicadores  econômicos com evidentes impactos sociais. O presidente da Federação das Indústrias (Fiesc), Glauco José Côrte, fez um balanço do ano, apresentando os números do estado em 2017 e projetando que 2018, concluídas as reformas estruturais, como a da Previdência e a Tributária, será de índices positivos ainda mais expressivos. “Estamos revertendo o cenário depressivo dos anos recentes”, disse o líder industrial. O que acontece em Santa Catarina neste sentido nem sempre ocorre também no Brasil. No acumulado do ano, de janeiro a setembro, a atividade econômica do estado cresceu 3,1% e a do país apenas 0,43%; na produção industrial, o índice catarinense foi de 3,6% e o brasileiro de 1,6%; nas vendas industriais, enquanto o estado registrou alta de 1%, a média nacional ficou 3,5% menor. Todos os percentuais tem como base de comparação o mesmo período de 2016. A diferença dos bons resultados obtidos por aqui aparecem fortemente na taxa de empregos. A população desempregada do estadoé de 6,7%, praticamente a metade da média nacional, de 12,4%. Mas talvez o índice mais emblemático para mostrar a tendência de retomada dos investimentos seja o de Confiança do Industrial. Em Santa Catarina, o índice, que varia de 0 a 100, sendo acima de 50 indicador de confiança, ficou em 55,0. No Brasil, em 53,1.
Bem recebido – O deputado Mário Marcondes, por enquanto sem partido, destinou R$ 750 mil para o município de São José da sua cota das emendas impositivas ao Orçamento do Estado. Os recursos serão aplicados integralmente na área da Saúde. Até aí, nada demais, até porque o município da Grande Florianópolis é base eleitoral de Marcondes. A novidade é que a iniciativa atende uma solicitação coletiva de seus novos colegas de partido, o PMDB, com apoio integral do vice-governador Eduardo Pinho Moreira, o mais novo padrinho político do parlamentar.
Marcondes assina ficha na nova sigla em evento marcado para o sábado (16).
Idoso –  Em seu retorno temporário à Assembleia Legislativa, o deputado Valmir Comin (PP), secretário de Assistência Social, acompanhou de perto a tramitação final e a aprovação de projeto de sua autoria que cria o Fundo Estadual do Idoso (FEI). O fundo terá como fonte de recursos a destinação de 1% do Imposto de Renda da pessoa jurídica e 6% da pessoa física.
SAMU –  Deputado Neodi Saretta (PT), presidente da Comissão de Saúde da Assembleia, usou a tribuna para manifestar sua preocupação sobre o vencimento do contrato do SAMU com a Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina. Alertou que o convênio vence no dia 19 e, até agora, não foi definido quem irá assumir. “A paralisação do atendimento seria uma lástima, uma tragédia para Santa Catarina”, disse o deputado.
 
Mais recursos –  O secretário de Estado de Articulação Nacional, Acélio Casagrande, esteve durante esta semana na sede brasileira do Banco Mundial (BIRD), em Brasília, com o intuito de estabelecer o primeiro contato e obter recursos para investimentos em Santa Catarina. Para estreitar o relacionamento com a instituição, uma nova reunião foi agendada para o início da próxima semana com o economista chefe do BIRD para o Brasil, Antônio Nucifera, e o diretor de Captação de Recursos e da Dívida Pública de Santa Catarina, Wanderlei Pereira das Neves.
 Recursos garantidos –   O pior já passou. Santa Catarina se saiu bem no momento mais duro da crise econômica que tomou conta do país. O próximo ano será de consolidação da retomada da economia e 2019 será o ano do começo do crescimento consistente. As afirmativas foram feitas ontem pela manhã pelo governador Raimundo Colombo, em entrevista coletiva à imprensa para avaliação de 2017. Ele teve a companha dos secretários de Estado da Educação, Eduardo Deschamps, e da Defesa Civil, Rodrigo Moratelli, do secretário-adjunto da Infraestrutura, Paulo França, e do presidente do Deinfra, Wanderley Agostini. Cada um falou sobre ações realizadas e expectativas para 2018. Mesmo sendo ano eleitoral, o governador afirmou que não faltaram recursos para a conclusão das obras em andamento, todas com valores garantidos. Na próxima semana, nova coletiva reunirá os secretários da Saúde,
Vicente Caropreso, e da Segurança, César Augusto Grubba. As duas áreas foram tratadas por Colombo como os maiores desafios para seu sucessor.
Julio Cavalheiro/Secom