Por: Coluna Pelo Estado

A Comissão Mista da Assembleia Legislativa que elabora a revisão do Código Estadual do Meio Ambiente começa esta semana a série de oito audiências públicas para ouvir mais sugestões de entidades e da sociedade para elaborar a construção de um PLC (Projeto de Lei Complementar). O ciclo tem início nesta quinta-feira (28), em Chapecó, e término no dia 18 de novembro, em Florianópolis. Estão convidados representantes os orgãos do governo relacionados à agricultura e meio ambiente, além de entidades representativas do setor produtivo agrícola e ambiental do estado. O presidente da Comissão Mista, deputado Valdir Cobalchini (MDB), lembra que a proposta de revisão do código ambiental estava prevista quando de sua aprovação há 12 anos e que neste período surgiram muitas legislações, portarias e decretos que precisam ser regulamentados. “Queremos ouvir a sociedade e elaborar uma lei que possa representar desenvolvimento sustentável, com mais agilidade e menos burocracia para quem quer empreender”, diz.

A audiência em Chapecó começa às 9h no Auditório da Acamosc (Associação das Câmaras do Oeste de Santa Catarina). No mesmo dia, em Concórdia, será na Câmara Municipal. Na sexta-feira (29), o encontro será em Rio das Antas, a partir das 9h, na Câmara de Vereadores, e às 17h, em Lages, na sede da Acil (Associação Empresarial de Lages.

Os encontros prosseguem em novembro. No dia 11, em Rio do Sul, pela manhã, no auditório da Unidavi; e a tarde em Joinville, no Salão Nobre da Acij (Associação Empresarial de Joinville). No dia 12, a audiência será em Içara, a partir das 9h, no auditório da prefeitura. Por fim, no dia 18, na Alesc. Além de Cobalchini, a comissão mista tem os deputados José Milton Scheffer (PP), como vice-presidente; Milton Hobus (PSD), como relator; e Moacir Sopelsa (MDB) e Fabiano da Luz (PT) como integrantes.

 

Deputado Moacir Sopelsa e seu irmão, Victor, festejaram a premiação em Lages | Foto Pedro Schimdt/Divulgação

Ovino premiado

A primeira exposição Sul Brasileira de Ovinos realizada em Lages, durante o final de semana, comprovou o elevado nível genético dos plantéis catarinenses. Participaram centenas de animais de produtores dos três estados da região Sul, de diversas linhagens. Na raça Texel, a mais concorrida, as escolhas dos grandes campeões foram festejadas pelo deputado Moacir Sopelsa (MDB) e seu irmão Victor, pois os vencedores, entre machos e fêmeas, são crias da Cabanha Diamantina, que mantém a tradição familiar em Irani.

 

Fórum Radar

A Fiesc promove o Fórum Radar Reinvenção nos dias 9 e 10 de novembro, com a participação de lideranças empresariais e especialistas nacionais e internacionais. O evento será híbrido, com participação presencial restrita a presidentes e executivos de empresas convidadas, além de ser transmitido pela internet. Com correalização de Sesi e Senai, o fórum vai aprofundar o debate sobre a reinvenção dos negócios diante da aceleração das mudanças trazidas pela pandemia. “O Fórum Radar é um encontro de presidentes e executivos de indústrias para refletir sobre as transformações, as oportunidades e as incertezas do momento”, afirma o presidente da entidade, Mario Cezar de Aguiar.

 

Partido Novo

O pré-candidato à presidência da República pelo partido Novo, Felipe D’Avila, tem agenda cheia em SC. Os compromissos começam nesta terça (26), em São José, com uma palestra e um encontro com o deputado federal Gilson Marques. A tarde, visita à Alesc e encontro com o deputado estadual Bruno Souza; e à noite, evento na Acif. Na quarta (27), Felipe D’Avilla estará em Joinville, onde se reúne com o prefeito Adriano Silva pela manhã, participa de almoço com empresários, antes de retornar para São Paulo, no meio da tarde.

 

AME do tipo 3

O deputado Neodi Saretta (PT) fez um pedido ao secretário da Saúde para que o Governo do Estado forneça o medicamento Spinraza aos pacientes com  AME (Atrofia Muscular Espinhal), do tipo 3. Atualmente o medicamento é disponibilizado, via SUS, aos pacientes dos tipos 1 e 2, que são os casos mais graves. A AME do tipo 3, chamada de AME juvenil, aparece após os 15 meses de vida até a adolescência. Os pacientes apresentam capacidade de ficar em pé e andar, mas devido à progressão da doença podem perder essa habilidade ao longo da vida.

Ewaldo Willerding