Por: Coluna Pelo Estado

Dados apresentados pela SES (Secretaria de Estado da Saúde) aumentam a esperança de que em novembro voltaremos senão à normalidade, ao menos perto dela, conforme prevê o Eduardo Macário, diretor de Vigilância Epidemiológica. Segundo a pasta, nesta segunda-feira (20) Santa Catarina alcançou a marca de 50% da população adulta vacinada com as duas doses – considerando quem está apto a receber os imunizantes. Ao mesmo tempo, há registros de redução no número de mortes pela Covid-19. Das 295 cidades catarinenses, 204 não registraram óbitos em setembro. Esse número representa cerca de 70% de todo o estado. Apenas 91 municípios tiveram mortes por Covid-19 até a última sexta-feira (17). Algumas cidades, como Ibiam, Irati, Lacerdópolis, Lajeado Grande, Leoberto Leal, Nova Itaberaba, Salto Veloso e São Bonifácio não têm desde março. Cunhataí e Presidente Castello Branco, desde fevereiro.

A melhora também é vista no mapa. Conforme a Matriz de Risco Potencial divulgada no último sábado ( 18), pela segunda semana consecutiva apenas a região Nordeste está classificada com risco gravíssimo. Outras quatro regiões apresentam risco grave e 11 risco potencial alto, o que significa avanço em relação à classificação do boletim divulgado no dia 11. Na ocasião, além da região Nordeste em estado gravíssimo, sete regiões apresentaram risco grave e oito risco potencial alto.

O cenário se traduz na ocupação dos leitos UTI. Para quem viveu o drama de ter em média 90% ocupado, a taxa atual de 65,54% merece comemoração. De todas as regiões, as que mais preocupam são Planalto Norte e Nordeste, ainda com 89,87%. As demais sustentam índices razoáveis: Grande Oeste (68,75%), Grande Florianópolis (66,08%), Meio Oeste e Serra Catarinense (59,91%), Foz do Rio Itajaí (54,12%), Vale do Itajaí (53,52%) e Sul (50,85%).

A lei estipula que o município deve obter o reconhecimento por órgão público ou entidade privada do setor de turismo | FOTO Makito/Santur/Arquivo

Turismo

O governador Carlos Moisés da Silva (sem partido) sancionou a Lei 18.208/2021 que estabelece os critérios para a definição de municípios de interesse turístico. A norma, publicada no Diário Oficial do Estado, foi proposta pelo deputado Ivan Naatz (PL), aprovada em agosto pela Alesc. A lei estipula que o município deve obter o reconhecimento por órgão público ou entidade privada do setor de turismo e também ter a atividade como uma das suas principais fontes de arrecadação.

Internet no campo

A  CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Alesc aprovou por unanimidade nesta terça-feira (21) o projeto de lei enviado pela Secretaria de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural que garante investimentos de R$ 50 milhões na conectividade no meio rural. Este é um dos principais compromissos assumidos pelo governador Carlos Moisés e pelo secretário Altair Silva nesta gestão. O projeto, que ainda tem de ser votado em plenário, tem a intenção de isentar cobranças no compartilhamento de infraestrutura, especialmente postes (usados por concessionárias de energia e de telecomunicações), a fim de baratear e, portanto, incentivar a expansão de redes de fibra óptica no meio rural.

Inclusão racial

O Movimento “OAB com a sua cara” promove nesta quarta-feira (22) um bate-papo com o presidente da Comissão da Verdade da Escravidão Negra no Brasil, Humberto Adami. No encontro, que terá transmissão ao vivo pelo canal do youtube do movimento, advogados e advogadas de SC poderão esclarecer dúvidas sobre o tema e também sobre a Resolução 5/20 que estabelece a paridade de gênero e cotas raciais nas eleições da OAB. E, na quinta  (23), o movimento será lançado oficialmente na Capital com opções alternativas para as eleições de novembro.

Safra Verão 2021/2022

Se o clima ajudar, a safra de verão 2021/22 em SC deve apresentar um bom resultado. O milho deve retornar aos patamares médios históricos; a soja segue no crescimento sistemático dos últimos anos; o arroz permanece estável; a banana também tem expectativa de crescimento da produção, diante de problemas climáticos que atingiram os pomares e causaram perdas na safra passada. A produção de maçã permanece praticamente estável. Os números foram apresentados pela Epagri/Cepa em evento on-line realizado na tarde de segunda-feira (20).

Ewaldo Willerding