Por: Coluna Pelo Estado

Uma das principais rodovias de Santa Catarina, que faz a ligação entre a Serra e o Litoral, além de ser alternativa para o escoamento da produção do Grande Oeste catarinense, a BR-282 ganhou um olhar atento da Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc), que lançou o projeto BR-282 + Segura e Eficiente. O estudo foi apresentado em evento virtual pelo secretário-executivo da Câmara de Transporte e Logística da Fiesc, Egídio Martorano e contou as presenças do presidente da Federação, Mario Cezar de Aguiar, além de toda a diretoria; e de autoridades como Thiago Augusto Vieira, Secretário de Estado da Infraestrutura e Mobilidade, representando o governador Carlos Moisés da Silva; os senadores Jorginho Melo (PL), Dario Berger (MDB) e Esperidião Amin (PP); das deputadas federais Angela Amin (PP) e Carmen Zanotto (Cidadania); do deputado estadual João Amin (PP); Ronaldo Carioni, superintendente do DNIT em Santa Catarina e André Saul do Nascimento, superintendente da Polícia Rodoviária Federal (PRF) no estado.

O estudo propõe um conjunto de obras, estimado em R$ 192,9 milhões, para melhorar a segurança e a fluidez do trecho que vai de Lages a Florianópolis. Entre as propostas estão a implantação de 68,9 km de faixas adicionais em locais onde ocorrem as ultrapassagens mais perigosas; readequações em interseções; relocações de sarjetas de drenagens e reforço da sinalização. “A cada dois dias ocorre um acidente grave, por vezes com mortes”, disse o presidente da Fiesc, Mario Cezar de Aguiar.

A ação está no âmbito do projeto Humanização das Rodovias Catarinenses, que reconhece que duplicar o trecho da rodovia tem custos elevados, mas sugere medidas pontuais, em trechos mais críticos, que no curto prazo podem melhorar muito a segurança e a fluidez da rodovia. A análise foi realizada pelo engenheiro Ricardo Saporiti, um dos especialistas na área.

 

Governador disse que não escolheu a vacina, escolheu ser vacinado | Foto Secom

 

Moisés vacinado

O governador Carlos Moisés recebeu a primeira dose da vacina contra a Covid-19 nesta quinta-feira, 24. O chefe do Executivo estadual foi imunizado na Unidade Básica de Saúde da Passagem da Barra, em Laguna, no Sul do Estado, onde mantém residência. “Não escolhi a vacina, escolhi ser vacinado. Daqui a 12 semanas estarei de volta ao posto de saúde para tomar a segunda dose. É muito importante que todos façam o mesmo, quando chegar a sua vez”, afirmou o governador, sem revelar a marca da vacina.

 

 

Aumento na Segurança Pública

A reunião entre o governador Carlos Moisés (PSL) e os representantes das polícias Civil, Militar, dos Bombeiros e do IGP chegou ao índice de aumento médio em torno de 21% para os servidores da Segurança Pública. Sem reajuste há sete anos, os profissionais entendem que se não é o ideal, ao menos é um avanço dentro do cenário de pandemia. Lei federal proíbe aumento em 2021 e esses valores só devem pingar nas contas dos servidores em 2022. Na PM, por exemplo, ficou o piso de R$ 6 mil para o Solado de 3ª classe e remuneração de R$ 16 mil para Subtenente. Moisés comemorou: “A melhor segurança pública do Brasil será também a mais valorizada. Nossos policiais e bombeiros militares, policiais civis e peritos terão a melhor remuneração do país”.

 

Parecer da deputada Luciane Carminatti foi aprovado | Foto Agência AL

Ensino domiciliar

Por 5 votos a 2, os deputados da Comissão de Educação rejeitaram o PLC 3/2019, que inclui a Educação Domiciliar como modalidade de ensino em Santa Catarina. A proposta do deputado Bruno Souza (Novo). Na reunião da comissão, venceu o voto da relatora, Luciane Carminatti (PT). Os deputados Valdir Cobalchini e Fernando Krelling (MDB), Vicente Caropreso (PSDB) e Silvio Dreveck (PP) seguiram o voto. Já a deputada Ana Campagnolo (PSL) apresentou voto-vista divergente, em defesa da proposta, assim como Ismael dos Santos (PSD).

Reforma Tributária

O ex-secretário da Fazenda em São Paulo e no Rio de Janeiro Luiz Cláudio Rodrigues de Carvalho, que faz parte da comissão técnica que discute a proposta de reforma tributária no Congresso Nacional, participa nesta sexta-feira, 25, a partir das 15h, de debate sobre o assunto, em Itajaí. A coordenação do debate é da advogada tributarista Kelly Gerbiany Martarello, atual diretora tributária da Associação Empresarial de Itajaí (ACII) e assessora jurídica do Comitê da Competitividade Catarinense.

Não à violência

O Plenário da Assembleia Legislativa de Santa Catarina aprovou, na sessão de quarta-feira, 23,  Projeto de Lei 43/2019, do deputado Fernando Krelling (MDB), que veda o uso de recursos públicos para a contratação de artistas que, em suas músicas, coreografias e/ou danças, incentivem a violência contra qualquer pessoa ou que contenham manifestações de desrespeito em razão de preconceito de origem, religião, raça, sexo, cor, idade, situação econômica, aspecto físico e ou doença física ou mental. Ponto a favor do parlamentar em tempos tão bicudos.

 

Ewaldo Willerding