Por: Coluna Pelo Estado

O anúncio de Carlos Moisés (PSL) em injetar R$ 200 milhões na duplicação da BR-470, entre Navegantes e Indaial, colocou políticos e representantes do setor produtivo em lados opostos. Favoráveis à rápida conclusão de uma obra que se arrasta, empresários aplaudiram a apresentação do projeto pelo secretário da Infraestrutura e Mobilidade, Thiago Vieira, na Fiesc. Contrários à ação, deputados já se manifestaram na Alesc, destacando que o recurso deveria ir para estradas estaduais.

Para o presidente da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (Fiesc), Mario Cezar Aguiar, o acordo deve ser uma via de mão dupla. “Como sugestão, deveria haver uma negociação da dívida que Santa Catarina tem com a União, compensando o Estado nessa antecipação de recursos”, pontuou. Na mesma linha seguiram os presidentes da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina (Fecomércio SC), Bruno Breithaupt; e Federação das Empresas de Transporte de Carga e Logística no Estado de Santa Catarina (Fetrancesc),  Ari Rabaiolli.

Na Assembleia Legislativa, porém, a proposta não teve a mesma recepção. Os deputados Ivan Naatz e Nilso Berlanda (ambos do PL); Fabiano da Luz  e Luciane Carminatti (os dois do PT); Moacir Sopelsa e Valdir Cobalchini (do MDB) e Marlene Fengler (PSD) já se manifestaram contrários.

Todos concordam apenas em um ponto. A rodovia é um indutor importante de desenvolvimento da economia catarinense. Mas enquanto os empresários pensam na melhoria da rota da exportação de seus produtos, os deputados olham para as demandas de suas bases .

O nó terá que ser desatado como muita negociação, mas com foco no que for melhor para Santa Catarina. Ou como diz o presidente da Alesc, deputado Mauro de Nadal (MDB), “na base da boa conversa”.

Ação para desenvolvimento do 5º PIB de SC foi realizada nesta quinta-feira, 11 | Foto Divulgação/Jr. Somensi

 

São José

O Secretário de Desenvolvimento Econômico de São José, Marcelo Fett, anunciou o plano de recuperação econômica no município que é o quinto maior PIB de SC, durante café-debate promovido pelo LIDE, nesta quinta-feira,11. No encontro – que teve ainda as presenças de Delton Batista, presidente do LIDE SC; e Everton Goedert, CEO do Goedert Group – foram apresentadas ações como o São José Conta Digital e o resgate da Nota Fiscal Premiada. Goedert falou das estratégias do movimento  do LIDE: “É Hora de Acelerar”.

Impeachment

O ministro do STJ, ministro Benedito Gonçalves, indeferiu o pedido do Tribunal Especial de Julgamento para o envio de documentos da investigação sobre o governador Carlos Moisés da Silva (PSL) no caso dos respiradores. A decisão foi comunicada pelo desembargador Ricardo Roesler, presidente do tribunal, que determinou que os acusadores e os defensores do governador, bem como os 10 julgadores do tribunal, tenham acesso à manifestação do MPSC, que determina o arquivamento do inquérito. O segundo Tribunal Especial analisa a participação de Moisés na compra dos 200 respiradores artificiais junto à Veigamed, com pagamento antecipado de R$ 33 milhões. Os equipamentos nunca chegaram ao estado.

Detran

Liminar do TRF-4 determina que o Certificado de Registro de Veículo (CRV) e o Certificado de Licenciamento Anual (CLA) voltem a ser emitidos fisicamente e não apenas por meio on-line. A decisão leva em consideração que boa parte dos proprietários não possui acesso à internet e a vale provisoriamente para todo país. O Diário Oficial da União publicou a Portaria do Contran que suspende, os requisitos para emissão do CRV e da CLA e do comprovante de transferência de propriedade em meio digital.

Samu

O serviço prestado pela empresa responsável pela administração Samu em SC foi levado ao plenário da Alesc nesta quinta-feira, 11, pelo deputado Kennedy Nunes (PSD). Ele destacou que as divergências existentes entre o governo do Estado e a OZZ estariam interferindo na manutenção do serviço prestado à população. O parlamentar protocolou um requerimento para que, tão logo seja reinstalada, a Comissão de Saúde da Assembleia convide representantes da Secretaria de Estado da Saúde, da OZZ e dos seus funcionários para esclarecer a situação.

Ewaldo Willerding