Por: Coluna Pelo Estado

O primeiro dia efetivo de trabalho da governadora interina de Santa Catarina, Daniela Reinehr (sem partido) foi de aproximação com os poderes, numa ação que seria trivial e tradicional para quem assume o Executivo, mas que ganha outra conotação quando se projeta que para a continuidade de sua gestão até o final de 2022 será necessário votos de deputados e desembargadores no Tribunal Especial de Julgamento, que vai analisar a acusação de crime de responsabilidade de Carlos Moisés na desastrada compra dos 200 respiradores, pagos a R$ 33 milhões num dos maiores calotes da história catarinense – os equipamentos não chegaram e apenas R$ 13 milhões foram recuperados. A rigor, considerando-se os votos de decretaram o afastamento do governador, seria necessário apenas mais um voto para que Daniela seguisse à frente do Executivo – vale lembrar que Moisés foi afastado por 6 a 4 – sendo que dois seis votos, cinco foram de magistrados e um do parlamentar Laércio Schuster (PSDB).

Obviamente que a visita institucional desta quarta-feira, 31, não teve o objetivo de pedir esse voto que falta. Daniela Reinehr está em outra estatura política para se sujeitar a tal prática. Mas neste momento sensível por que passam os poderes, é sempre bem vindo um gesto de aproximação. E a política é feita de gestos.

Na Alesc, Daniela Reinehr participou, ao lado do presidente da Casa, deputado Mauro de Nadal (MDB) da entrega  69 novas viaturas, mais armamentos e equipamentos de proteção individual para a Polícia Militar. Ao todo, o Governo do Estado repassou cerca de R$ 11,5 milhões para as novas aquisições, por meio de recursos provenientes de emendas de 23 parlamentares estaduais. O outro encontro foi com o presidente do TJSC, desembargador Ricardo Roesler, que também preside o tribunal misto do impeachment.

 

Audiência Pública virtual foi realizada na Alesc | Foto Agência AL

Menos ICMS

O deputado Marcos Vieira (PSDB) sugeriu que o governo catarinense baixe de 12% para 7% o ICMS para empresas aéreas que mantenham as linhas para Chapecó. A solicitação foi feita durante a audiência pública virtual na Alesc. Mario Cezar Aguiar, presidente da FIESC, também participante, opinou que reduzir para 12% os impostos no transporte de cargas também é importante. O secretário da Fazenda, Paulo Eli, explicou que para reduzir a carga tributária é preciso que existam outras fontes para a arrecadação. Todos lamentaram a ausência das empresas no debate.

Segurança Pública

Após o pedido realizado pessoalmente pelo presidente do Colegiado Superior de Segurança Pública e Perícia Oficial de SC Cel. BM Charles Alexandre Vieira, para que os agentes de segurança fossem incluídos nos grupos prioritários de vacinação da Covid-19, o Ministério da Saúde aprovou o pedido e emitiu nota técnica nesta quarta-feira (31). A vacinação dos agentes de segurança deve iniciar imediatamente, junto aos profissionais de saúde e idosos. Para o Cel. Vieira, este é um importante avanço e a vacinação é de extrema importância para a Segurança Pública.  “Não devemos poupar esforços para lutar por aqueles que também estão na linha de frente, arriscando-se diariamente pela segurança do povo catarinense”, afirmou.

Ágora Tech

O parque tecnológico Ágora Tech Park, em Joinville, inaugura dois novos prédios, o que deve significar 30 novas empresas no espaço. Um dos prédios reúne empresas de tecnologia e startups, além de laboratórios de inovação da indústria e um polo de TI para saúde, reunindo empresas como Schulz, Grupo Opty, Hospital Sadalla Amin Ghanem e Grupo Clamed. Outro prédio é um moderno datacenter, no qual a empresa Armazém Datacenter, de Brusque, investiu mais de R$ 20 milhões.

Federais

A Comissão de Finanças e Tributação  da Alesc, atendendo a pedidos de vista dos deputados Silvio Dreveck (PP) e Sargento Lima (PL), decidiu adiar para o dia 7 de abril a votação dos Projetos de Leis (PLs) que buscam viabilizar o repasse de R$ 250 milhões dos cofres estaduais para obras viárias de responsabilidade do governo federal em Santa Catarina. As matérias que tramitam em regime de urgência e devem ser votadas em plenário até o dia 1º de maio já contam com pareceres favoráveis do relator, deputado Marcos Vieira (PSDB), com emendas.

Ewaldo Willerrding