Por: Coluna Pelo Estado

O governo de Santa Catarina publicou novo decreto com regramentos que visam conter o avanço do contágio do coronavírus em todas as regiões. O número de casos, e por consequência internações, cresceram de forma assustadora a ponto de o secretário de Saúde, André Motta Ribeiro, declarar que “a pandemia deteriorou no estado todo, estamos entrando em colapso”.

As taxas de ocupação dos leitos de UTI SUS para adultos beiram os 100% em praticamente todos os hospitais. SC caminha para ultrapassar a marca de 700 mil casos, com mais de 7 mil mortes desde março de 2020. Há registros de ocorrências em todos os municípios e as medidas de restrições tornaram-se mais do que necessárias.

Os gestores públicos debruçam-se sobre estudos e medidas para frear o contágio, sem prejudicar a economia, nem aumentar o desemprego. Uma tarefa árdua e muitas vezes incompreendida, mas necessária. As decisões tomadas em gabinetes dificilmente agradam a todos, mas o que se faz necessário entender é que o governo apenas dita um rumo, estabelece regras. Os maiores responsáveis em fazer estancar o avanço do vírus somos nós mesmos.

Após quase um ano de batalha, todos sabemos o que devemos ou não fazer. As informações são repassadas em abundância pela imprensa séria, e comprometida com a verdade. A rigor, nem precisaríamos mais de decretos. Já deveríamos ter consciência de que aglomerações são um campo fértil para a contaminação em massa.

Quem sai de casa para junção em bares, boates, praias ou lanchas não está só desrespeitando as regras. Desrespeita a si mesmo e aos outros. Os locais não contaminam, pessoas contaminam! É hora de obedecer regras e o bom senso, conter a doença e voltarmos a conviver sem ameaças, como no velho normal.

Presidente Sérgio Rodrigues Alves assina nota de apoio ao governo | Foto Divulgação/Facisc

Facisc

A Facisc, em nota assinada pelo presidente Sérgio Rodrigues Alves, manifestou apoio às medidas restritivas. Diz a nota: “A Facisc está ao lado das lideranças e acredita que a união dos esforços em prol do bem comum é imprescindível no combate à Covid-19. As medidas atende aos anseios da classe empresarial, porém é de suma importância que se reforce a fiscalização e não penalize as empresas que têm investido para garantir a geração de empregos e renda para os catarinenses cumprindo, e inclusive, reforçando as regras sanitárias”.

BRDE

Dentro do processo de diversificação de suas fontes de captação de recursos, o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) realizou essa semana sua primeira operação no mercado de capitais desde a década de 1980. Ao efetivar a venda de R$ 10 milhões em Recibos de Depósitos Bancários (RDBs), o BRDE faz sua estreia na emissão e oferta de títulos dentro de um projeto piloto que prevê captação global de R$ 30 milhões. A operação inédita teve como comprador um cliente já com um longo histórico de relacionamento com o banco no estado do Paraná. A ida ao mercado através da emissão de RDBs fez parte de uma estratégia do BRDE definida no início de 2020 e autorizada ainda no mês de dezembro.

MDB

Diante do agravamento da pandemia, o Diretório Regional do MDB-SC está cancelando os 36 encontros presenciais previstos para ocorrer de março a maio. “Esperamos que as novas medidas restritivas anunciadas pelo governo estadual sejam eficazes para que, assim que a situação estiver sob controle, retomarmos nossas reuniões. Enquanto isso, as lideranças emedebistas reforçam compromisso de cobrar  mais agilidade na vacinação”, destaca o presidente estadual da sigla, Celso Maldaner.

Pós-Covid

A organização de um protocolo para atender os pacientes de coronavírus que receberam alta hospitalar e tiveram sequelas graves é o principal objetivo do grupo de trabalho GT Pós-Covid, que foi instituído pela Alesc, por meio da Comissão de Saúde. Autora do requerimento, a deputada estadual Ada Faraco de Luca (MDB) foi designada para coordenar as ações. “Nós vamos organizar a estrutura já existente e oferecer apoio ao cidadão”, afirmou Ada. Será feito um levantamento geral sobre as ações prestadas aos pacientes.