Por: Coluna Pelo Estado

Fundado em 1998 como um movimento da Associação Empresarial de Lages (SC), o Banco da Família surgiu em um momento de depressão econômica da região e, desde então, mantém como propósito impulsionar negócios de micro ou pequeno porte. Adotando um modelo enxuto e sustentável, ganhou musculatura ao atrair novos parceiros e implementar a diversificação de produtos ao longo dos últimos 23 anos. À frente do projeto desde o início, Isabel Baggio se orgulha do crescimento do Banco que hoje tem 23 mil clientes ativos em 171 cidades dos três estados do Sul, e que, segundo a Associação Brasileira de Entidades Operadoras de Microcrédito e Microfinanças (Abcred) é a maior instituição de microfinanças do Sul do país –, já concedeu mais de R$ 1 bilhão em crédito em pouco mais de 400 mil operações, tendo impactado mais de 1,3 milhão de pessoas. Nesta entrevista exclusiva à coluna Pelo Estado, a presidente do Banco da Família, Isabel Baggio fala dessa trajetória, da visão social do projeto e dos desafios enfrentados durante a pandemia. Confira:

 

Como surgiu o Banco da Família?

O Banco da Família começou em Lages em 1998, naquela época eu era a presidente da Associação Empresarial e, com o seu braço feminino, que era a Câmara da Mulher Empresária, foi criado como o Banco da Mulher. Em paralelo a isso, o Sebrae fez uma pesquisa que constatou que o maior problema dos micros e pequenos negócios era o acesso ao crédito. Naquela época começava em Bangladesh as atividades do Yunus Bank, voltado para o microcrédito. Algo que era muito distante mas que servia como uma bússola. Junto com isso, a Acil participava de um projeto junto a Facisc chamado Projeto Empreender e nós fizemos uma missão e fomos à Itália e à Alemanha conhecer de perto as ações voltadas ao crédito e gestão de pequenos negócios. Somando todo esse conhecimento montamos uma associação de microcrédito aqui, inicialmente para atender Lages. Mas fomos percebendo ao longo do tempo que existia uma necessidade em municípios da região e, assim, fomos abrindo a possibilidade de atendimento na microrregião.

 

 

De onde vieram os recursos?

Os recursos que nós emprestamos vieram de doações de empresas associadas em forma de doação. E essas doações serviram para captar outros recursos, sob a forma de empréstimo. O foco sempre foi fomento, de auxiliar na construção de créditos voltados aos pequenos negócios, sejam formais ou informais. As empresas nascem de forma muito empírica. Não são empreendedores por natureza e sim por necessidade. Muitas vezes as pessoas abrem um negócio, ele não vai tão bem, daí migram para outros negócios e vão se adaptando ao mercado. Daí, depois de um tempo de maturidade, muitos negócios se formalizam e se institui como uma microempresa, de pequeno porte, ou até uma MEI, mas o fato é que ela precisa de um tempo de maturação.

 

 

 Mas de Lages hoje o Banco da Família está em várias cidades dos três estados do Sul. Como foi este trabalho?

Nós fomos pesquisando o mercado e percebendo que tinha oportunidades para o Banco da Família. Claro que o Banco da Família tem um DNA empresarial, é uma organização social, mas a visão é de crescimento e de apoio cada vez maior a mais pessoas. Daí de Lages e região fomos a Vacaria, Caxias do Sul, Meio Oeste de Santa Catarina, seguimos para o Paraná e por último na Grande Florianópolis.

 

 

| Foto Divulgação


“Nessa pandemia criamos uma força-tarefa para ajudar os nossos clientes em várias ações, mas também para ajudar os nossos colaboradores.”

 

 

Diante desse perfil, o Banco da Família tem uma operação simples?

A linguagem usada com nossos clientes fácil, amistosa, com atendimento personalizado através de uma figura chamada agente de crédito, que vai até a casa das pessoas, descreve o contexto familiar e empresarial, vê suas necessidades, auxilia no quanto esse cliente precisa de recurso, porque muitas vezes as pessoas não têm condições de avaliar qual a sua real capacidade de pagamento e qual o valor que ela precisa para comprar equipamentos, casa, ou para capital de giro. Enfim, esse agente de crédito tem a importância de mostrar para esse cliente que o empréstimo não se torne mais um problema e sim a solução.

 

 

O Banco tem uma linha de crédito voltando para saneamento. Como funciona?

Nesse projeto de saneamento nós temos um parceiro forte que é uma organização chamada whater.org, uma organização americana que se preocupa com o melhor uso da água em vários países. E através de sensibilização nós fomos fazendo com que as pessoas percebessem que a responsabilidade do saneamento é da família. Muitos acham que o saneamento de suas casas seja de responsabilidade do poder público e isso não é verdade. O poder público tem a obrigação de colocar uma rede adequada na frente das casas, pelas ruas, etc. Ou então as pessoas acham que é caro e que não têm recursos. E nós temos linha de crédito para banheiro, caixa d’água, fossa, encanamento que facilita a vida das pessoas e diminui os casos de doenças nas famílias. Porque estudos mostram que a cada R$ 1 investido em saneamento as famílias economizam R$ 6 em saúde. Nós temos como princípio melhorar a qualidade de vida das pessoas e saneamento é qualidade de vida. Nessa linha de crédito já emprestamos R$ 22 milhões e queremos ampliar cada vez mais.

 

 

Como está o Banco em função da pandemia?

No ano passado criamos o comitê de crise e fomos tomando as providências necessárias tanto para a segurança das pessoas do banco e lembrando que as pessoas que trabalham como Banco são as mais impactadas. Então, olhando para nossos colaboradores e para os nossos clientes, criamos uma força-tarefa que segue no trabalho no sentido de dar guarida para as pessoas que tiveram os trabalhos e a renda interrompida. E dou exemplos: é o marceneiro que pôde entrar na casa das pessoas; o encanador; a diarista; enfim, qualquer tipo de serviço, a pessoas que tem uma loja que ficou fechada. E essas pessoas não têm reservas para segurar uma pandemia que dura mais de um ano. Então nós tivemos presentes de várias formas: ou prorrogando seu empréstimo, fazendo renegociação, concedendo um empréstimo menor, mas não excluindo ele da vida do Banco da Família e sim achando uma condição adequada para uma crise que a gente ainda não sabe quanto tempo vai durar. Também mudamos muito a nossa forma de atendimento, que é sempre pessoal, personalizada, e passamos a usar meios digitais para chegar aos nossos clientes. Além disso, ajudamos famílias com doações de cestas básicas, atendemos clientes com dificuldades emocionais, com nossos colaboradores também, fizemos uma doação para o Centro de Triagem, enfim, através de nossos parceiros auxiliamos no pagamento de juros de clientes que estavam em estado de vulnerabilidade. Foram ações que colaboraram para minimizar as dificuldades durante a pandemia.

 

O banco tem uma visão social?

O Banco da Família é uma organização social, e tudo o que fazemos, de uma forma mais intensa ou menos intensa, tem um movimento social muito forte. Todo o trabalho do Banco da Família tem um viés social importante porque está no nosso DNA. O nosso propósito é melhorar a qualidade de vida das pessoas.

 

| Foto Divulgação

 

“Todo o trabalho do Banco da Família tem o propósito de melhorar a qualidade de vida das pessoas.”

 

Como as pessoas podem fazer para acessar o Banco?

Nós temos vários canais de relacionamento, mas destaco três muito importantes: 0800 648 4444; o Facebook .com/nossobancodafamilia; e site bf.org.br

Ewaldo Willerding